Segunda-feira, 15 de julho de 2024

Coluna

Marconi inicia ofensiva contra Kajuru em meio a empate

Publicado por: Sheyla Sousa | Postado em: 19 de setembro de 2018

O ex-governador Marconi Perillo (PSDB) apresentou ontem nova
postura diante dos constantes ataques vindos do adversário na disputa a uma das
vagas no Senado nas eleições deste ano, o vereador Jorge Kajuru (PRP). Em
entrevista à Rádio Sucesso (98,3FM), o tucano fez duras críticas e mostrou que
a estratégia do ‘bateu, levou’ segue ativa. “É um malandro, que nunca trabalhou
na vida, não tem nada de doido nem psicopata. É um mau caráter que as pessoas
precisam conhecer. Eu sintetizaria dizendo o seguinte: é um demônio vestido de
anjo”, soltou Perillo. Desafetos históricos, os dois mantêm diferenças e trocas
de ataques públicos ao longo dos últimos 20 anos, com destaque ao primeiro
mandato do ex-governador e agora, quando são concorrentes diretos.
“Infelizmente algumas pessoas acreditam nas mentiras dele. Ele deu uma
entrevista dizendo o seguinte: ‘no dia em que eu for candidato, não acredite
mais em mim. Porque eu serei ladrão’, disse o Kajuru. Pois bem, ele já rouba.
Quem vivia pedindo dinheiro para cachoeira era ele”, atacou.

Estrutura pública

Continua após a publicidade

Marconi ainda buscou minar o discurso de defesa da ética na
política, defendido pelo vereador por Goiânia. “Vive mentindo dizendo que não
recebe salário, mas recebe consignado da Câmara e usa a estrutura para fazer as
fake news”.

Acirrado

Além da divergência histórica, a situação mostrada nas
pesquisas, de empate entre Marconi e Kajuru na disputa ao Senado, força posição
mais dura do tucano, que entra no debate franco. O debate promete.

Imunidade em guerra

A candidatura de Jair Bolsonaro (PSL) à presidência da
República não tem sofrido qualquer consequência negativa por conta da campanha
constante de ataques de adversários na disputa e, pelo contrário, consegue
apresentar crescimento fora da margem de erro na maioria das pesquisas
divulgadas nas últimas duas semanas. Diante disso e das cobranças de aliados, o
candidato Geraldo Alckmin (PSDB) concordou ontem com a necessidade de partir
para o ataque na busca de garantir uma vaga no segundo turno. Até então
refratário a fazer colocações mais agressivas, o tucano foi convencido de que o
voto conservador continuará na órbita de Bolsonaro caso ele não suba o tom. A decisão
dos tucanos foi tomada no domingo (16) e apresentada aos aliados, que consentiram.
O conceito é o mesmo, com alerta para o que chama de risco de radicalismo de
direita, com o capitão reformado, e populismo de esquerda, com Fernando Haddad
(PT). A forma é que, segundo aliados, mudará. Além de peças de publicidade, o
próprio Alckmin dará a mensagem.

CURTAS

Patrimônio – O secretário
Irapuan Costa Júnior (Segurança) entregou à presidente do Iphan, Kátia Bogéa,
projeto de restauração do Quartel do 6º BPM, na cidade de Goiás.

Cultura – A
gastronomia, o artesanato e a cultura gaúcha estarão de volta à capital goiana.
A tradicional Feira Gaúcha FenaSul começa na sexta (21), em Goiânia.

Transporte – A prefeitura
de Goiânia lança hoje a linha de ônibus 934, que ligará o Terminal Isidória ao
bairro Recanto das Minas Gerais, na região Leste.

Incoerência

O governador Zé Eliton (PSDB) reafirmou ontem lealdade e
parceria com a base aliada e condenou a “incoerência política” do senador
Ronaldo Caiado (DEM), seu adversário na disputa ao governo estadual.

Manutenção

Apesar das passagens por DEM, PP e agora o PSDB, Zé garante:
“Eu não mudei de posição. Estou na mesma base em que estou há muito tempo”. “Quem
tem mania de trocar, e de ser incoerente, é justamente o senador Ronaldo
Caiado”.

“Quem não se lembra de que  há tempos ele falava que
reunião do PMDB era caso de polícia, que o Iris Rezende era o pior dos
elementos da política em Goiás , que o Maguito era alguém desqualificado. Ele é
quem falava isso”, citou.

Solução

A senadora Lúcia Vânia (PSB), candidata à reeleição,
participou em Trindade de reunião com apoiadores e definiu compromisso com a
educação e disse que esta é a melhor alternativa para “ajudar o Brasil a
superar a crise”.

Fora

Sem sequer ter entrado efetivamente na campanha, já que nem
havia agenda pública, a candidata do PCO ao governo de Goiás, Alda Lúcia, teve
pedido de registro indeferido pelo Tribunal Regional Eleitoral de Goiás.

Motivo

Além dela, toda a chapa ficou fora. Na decisão, o juiz
relator, Marcelo Arantes, aponta que não houve prova de desincompatibilização.
Ela é professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de
Goiás (IFG).