Coluna

Michel Temer reage após novo cerco em investigação

Publicado por: Sheyla Sousa | Postado em: 12 de março de 2018

O presidente Michel Temer visitou neste fim de semana a
presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia. O encontro ocorreu
na casa da ministra, em Brasília, e foi feito a pedido do presidente, que
telefonou para ela durante a semana para pedir a reunião. Na saída do encontro,
Temer disse que ambos trataram sobre segurança pública e sobre a intervenção no
Rio de Janeiro. “A ministra vai colaborar enormemente com essa questão em todo
o país”, disse.  A visita faz parte de
estratégia do presidente para que seja reconsiderada a inclusão de seu nome em
inquérito para apurar repasses da Odebrecht ao MDB em 2014. O presidente teria
apresentado, durante a reunião, argumentos contrários à investigação. Na saída,
perguntado houve tratativas sobre o assunto, mas ele negou. “Não foi tratado
nada disso”, disse. O argumento de Temer, que ficou irritado com a inclusão de
seu nome, é de que um presidente em exercício não pode ser investigado por
acontecimentos anteriores ao mandato.

Tropa de choque

O ministro da Justiça, Torquato Jardim, defende a tese de
que Michel Temer não pode ter seu sigilo bancário quebrado, em razão do cargo
que ocupa. “Não se fez isso com nenhum presidente até hoje”, afirma.

Segurança nacional

“É preciso termos conhecimento claro e objetivo das razões
que levam à quebra do sigilo, mas somente do período em que ele está no
cargo. Caso contrário, cria suspeita contra o cargo de presidente”, alega o
minsitro.

Prisão tem data
marcada

A sessão em que os três de desembargadores do Tribunal Regional
Federal da 4ª Região (TRF-4), João Pedro Gebran, Leandro Paulsen e Victor Laus,
devem rejeitar todos os embargos apresentados pela defesa do ex-presidente Lula
foi antecipada para a manhã do próximo dia 26. Com isso, Lula o petista poderá
ser preso no mesmo dia, já que teve condenação em segunda instância. Até lá, os
advogados de Lula e aliados políticos em Brasília tentarão forçar a inclusão na
pauta do Supremo Tribunal Federal (STF) do dispositivo que obriga o cumprimento
da pena, inclusive a prisão, após condenação em segunda instância. A má notícia
para petistas é que a presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, divulgou a
pauta de abril e deixou de incluir tanto o pedido específico de Lula quanto as
ações mais abrangentes que discutem a prisão em segunda instância. Normalmente,
a presidência do Supremo só confirma a pauta perto da virada do mês. A
antecipação do calendário foi recebida internamente no Supremo como um recado,
diante da pressão do ex-presidente.

CURTAS

Rango! – A Organização
das Voluntárias de Goiás (OVG) inaugurou o 12º Restaurante Cidadão. No
lançamento já tinha fila na porta e 400 refeições foram servidas.

PTB & MDB – O
prefeito de Itumbiara, José Antônio (PTB), conheceu o “Prefeitura em Ação”,
executado por Gustavo Mendanha (MDB), em Aparecida de Goiânia.

Elogios – “É
preciso reconhecer a liderança de Daniel Vilela, como deputado, presidente do
MDB e como pré-candidato a governador”, disse o petebista.

Proporção

O ministro das Cidades, Alexandre Baldy, reservou R$ 49,5
milhões do programa Cheque Reforma para Goiás em 2018. É um valor
significativo, principalmente quando comparado aos recursos para todo o Brasil:
R$ 685,5 milhões.

Bico calado

Depois de conseguirem sair da cadeia, os irmãos Joesley e
Wesley Batista estão proibidos de se falar. A decisão do Superior Tribunal de
Justiça (STJ) é adotada corriqueiramente para alvos de um mesmo processo.

Vantagem

Os irmãos são acusados de insider trading, que é o uso de
informação privilegiada de suas próprias delações premiadas na
Procuradoria-Geral da República (PGR) para lucrar no mercado financeiro, em
abril de 2017.

Caça-fantasmas

A Assembleia Legislativa institui nesta semana um grupo de
trabalho para analisar a resolução e o ato da Mesa Diretora que tratam do
controle de frequência de servidores que realizam atividades externas, sem
bater ponto.

MP de olho

O grupo será formado por procuradores e deputados e terá um
prazo para apresentar um relatório final com as possíveis alterações. O grupo vai
manter interlocução com os órgãos de controle e com o Ministério Público Estadual.

Espera

A bancada do PR na Assembleia está cada vez mais próxima da
pré-candidatura de Ronaldo Caiado (DEM). Dr. Antônio já está na oposição.
Claudio Meirelles e Álvaro Guimarães ainda aguardam resposta das bases.

Compartilhe: