Coluna

Novo governo receberá Metrobus sem déficit financeiro mensal

Publicado por: Sheyla Sousa | Postado em: 05 de novembro de 2018

O governo estadual prevê que a estatal gestora do transporte
coletivo no Eixo Anhanguera, a Metrobus, consiga fechar o ano e,
consequentemente, se entregue ao próximo governo sem déficit nas contas
mensais. A perspectiva foi apresentada pelo estado e confirmada pela presidente
da companhia, Daniela Malaspina. Quando a engenheira assumiu o posto, o saldo negativo
era de R$ 2 milhões, mas agora, já no fechamento de outubro, os débitos foram
zerados. “A principal medida foi o enxugamento da folha. Diminuímos 90
funcionários só da parte administrativa sem prejudicar a produtividade e o
andamento dos serviços. Além disso, fizemos renegociação de contratos com
fornecedores, inclusive junto à RedeMob, que é o consórcio responsável por toda
a operação das linhas”, afirma. Pagávamos em torno de 40% de toda a receita com
contratos e, depois da revisão, serão gastos 15%, em dezembro. “A redução nos
pagamentos economiza R$ 1,4 milhão que, somados aos cortes internos, resultam
no fim do déficit”, conta a presidente.

Processo

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-RJ), filho do
presidente eleito Jair Bolsonaro, foi notificado a prestar esclarecimentos da
denúncia de ameaça a uma jornalista, formalizada no STF pela procuradora-geral
da República, Raquel Dodge.

Entenda

O processo foi aberto em agosto de 2017, após depoimento e
conversas no aplicativo Telegram fornecidas pela jornalista Patrícia Lélis. Ela
foi ameaçada pelo deputado após desmentir publicamente que tivesse um
relacionamento com ele.

Menos fala e mais
trabalho

O deputado federal e futuro ministro da Casa Civil, Onyx
Lorenzoni (DEM/RS), afirmou que o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) não costuma
divulgar sua agenda por “questões de segurança”. O articulador político do
presidente negou que o capitão tenha baixado a lei do silêncio, mas confirmou que
a hora é de trabalhar e não de falar. “Este é o momento de falar pouco e
trabalhar muito”, disse, ao deixar a casa de Bolsonaro. “Então, a vida dos
senhores e senhoras da imprensa vai ficar um pouquinho mais complicada. Porque quem
vai falar na quarta-feira, em Brasília, é o futuro presidente do Brasil”,
completou. Lorenzoni disse que tem debatido com Bolsonaro questões de
“interesse da transição” e assinados atos de “nomeação das equipes de
transição”. É provável que os nomes dos próximos futuros ministros sejam
divulgados hoje por Bolsonaro no Twitter. Onyx conta que o novo presidente vai
a Brasília amanhã e, na quarta, se encontra com o presidente Michel Temer (MDB)
na capital federal. Depois, na quinta-feira (6), retorna ao Rio.

CURTAS

Oportunidade
Quem tem dívida com a Prefeitura de Goiânia pode negociar débitos com até 80%
de desconto em multas e juros nesta semana de conciliação.

Mais imposto – A
criação de Imposto sobre Valor Agregado (IVA), com adesão opcional para Estados
deve ser a prioridade “zero” do governo eleito.

Será? – Ao menos
é o que defende o presidente do Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada
(Ipea), Ernesto Lozardo. A opção seria alternativa a uma nova CPMF.

Inevitável

Depois de reuniões com emissários, vereadores têm a certeza
de que o governador eleito Ronaldo Caiado (DEM), mesmo que indiretamente, terá
voz ativa nas articulações para a nova Mesa Direta da Câmara de Goiânia.

O retorno

Não é descartada influência de Marconi Perillo (PSDB). “Há
quem ache que o Marconi está morto politicamente. Ele ainda é muito grande e
tem sempre pessoas próximas dele conversando”, diz o vereador e deputado
estadual eleito, Alysson Lima (PRB).

Lá e cá

Ao mesmo tempo em que ocorre campanha à presidência da
OAB/GO, a entidade passa por processo eleitoral em âmbito nacional. O candidato
único é o advogado Felipe Santa Cruz.

História

O candidato é filho de Fernando Augusto de Santa Cruz
Oliveira, um dos desaparecidos políticos durante a ditadura militar. Fernando
foi líder da Juventude Universitária Católica (JUC) e integrou a Ação Popular,
organização de esquerda contrária ao regime.

Internacional

A indicação do juiz federal Sergio Moro, que comandou as investigações
da Operação Lava Jato, para o cargo de ministro da Justiça repercutiu positivamente
para Jair Bolsonaro na imprensa internacional.

Sinais

Mesmo antes mesmo de Moro aceitar o cargo, jornais
estrangeiros apontam que a nomeação é a sinalização de que o Brasil vai
intensificar a luta contra a corrupção. Alguns veículos também fazem críticas à
conduta parcial do juiz na Lava Jato.

Compartilhe: