Coluna

Sebastião Peixoto: “Quem manda no Imas é a Igreja Universal” 

Publicado por: Yago Sales | Postado em: 17 de fevereiro de 2022

Sebastião Peixoto foi presidente do Instituto Municipal de Assistência aos Servidores (Imas) por 8 anos. Saiu de lá sob acusações de corrupção do Ministério Público, mas sem uma condenação ainda. Homem de confiança de Iris Rezende para gerir o órgão, ele se defende. Conhecedor como pouquíssimos do poder econômico do Imas, no centro das atenções desde que a Prefeitura parou de pagar fornecedores e a troca, no mínimo suspeita, do ex-presidente, Júnior Café, que soube que sairia em uma ligação do pastor da IURD e deputado Jeferson Rodrigues (Republicanos). Peixoto defende a privatização do órgão. “Lá só tem pastores da Universal. É a igreja que manda lá”, reclama ele. Para ele, os servidores têm 8% descontados da Folha mas que parte disso não é repassado. “Eles mudaram tudo, tá uma bagunça”, e sugere: “Deveria passar para o Ipasgo”.

Pensando bem…

Ontem o secretário de Governo, Arthur Bernardes, anunciou que a gestão Rogério Cruz (Republicanos) descarta privatização do Imas. A medida, dizem servidores efetivos do órgão, tiraria o emprego de muitos “irmãos”. 

Olha só

Um dia depois de ter postado críticas aos buracos nas ruas de Aparecida, sob a gestão de Gustavo Mendanha (sem partido), o padre Luiz Augusto, da Paróquia Santa Teresinha do Menino Jesus, apareceu nas redes sociais do ex-governador Marconi Perillo (PSDB). 

Vaca gorda 

Marconi anunciou no Twitter, ao lado do padre – que foi funcionário-fantasma da Alego quando o tucano era governador – uma gorda doação à Paróquia Santa Teresinha comandada pelo religioso. A bolada somada entre doações de 2021 e 2022 foi de R$1.4 milhão da empresa Fundação CSN, onde Marconi trabalha desde que deixou o governo. 

Treta em Aparecida 

O vereador Aldivo Araújo (MDB) – no quinto mandato – parece não ter perdoado o destino da vida política por ter perdido o trono da presidência da Câmara Municipal de Aparecida para o colega de sigla, André Fortaleza. Nas últimas semanas, espinafrou Fortaleza, que, como não leva desaforo para casa, fez uma série de acusações. 

Não deu

Aldivo, nos bastidores, não conseguiu frear a votação da antecipação da Mesa Diretora. 

Reconhecimento?

Também vereadora de Aparecida, Camila Rosa (PSD), que teve embate com Fortaleza e microfone cortado por ele dias atrás, apresentou decreto legislativo para dar título cidadão ao Henrique Meirelles, que é do mesmo partido. 

Agora vai?

Pré-candidato ao Senado por Goiás, mas sem dar as caras por aqui desde o ano passado, Meirelles havia sido contemplado com a mesma honraria da Câmara aparecidense anos atrás. Ele nunca foi buscar. Talvez, de olho em outubro, agora seja uma boa. 

Racismo

Depois de reportagem do jornal “O Hoje”, a Prefeitura da Cidade de Goiás, antiga capital do Estado, emitiu nota de repúdio ao vídeo do homem sendo acorrentado pelo patrão, um médico e fazendeiro da região. Organizações de Direitos Humanos prometem acompanhar o caso. 

Preocupação

Em grupos ligados a discussões sobre o Plano Diretor houve diversas associações a Petrópolis (RJ) quanto ao desordenado uso do solo. Há um risco de Goiânia, com a falta de permeabilidade, provocar danos irreversíveis com a construção desenfreada de edifícios. 

Curta

Para o MP, está tudo certo para o Júri,  no dia 14 de março, dos denunciados pelo assassinato do jornalista e cronista esportivo Valério Luiz.

Compartilhe: