Coluna

Secretário de Saúde vê ação de Estados fora do radar da pandemia

Publicado por: Sheyla Sousa | Postado em: 08 de outubro de 2020

Venceslau Pimentel 

O secretário estadual de Saúde, Ismael Alexandrino, vê com cautela o
anúncio feito por vários estados de que vão comprar vacinas contra a Covid-19.
Ele comentou o assunto ao prestar, ontem, contas das ações da pasta no segundo
quadrimestre deste ano, quando foi indagado pelo deputado Karlos Cabral se
estaria no radar do governo adquirir doses do imunizante para vacinação em
massa dos goianos. Alexandrino comentou que a aquisição do produto é atribuição
do Ministério da Saúde. “Eu sei que vários estados, e muito deles
com cunho outro que não propriamente sanitários, anunciaram possível
aquisição de países que sequer apresentaram ainda documentação na Anvisa”.
Enquanto pairar qualquer dúvida em relação à vacina, ele disse que Goiás
seguirá a política do governo federal.
 

Adversários

Já anunciaram a compra de vacinas governadores de oposição ao presidente
Jair Bolsonaro, como João Doria, de São Paulo; Flávio Dino, do Maranhão; Renato
Casagrande, do Espírito Santo; e Carlos Moisés, de Santa Catarina. 

Logística 

Indagado por deputados se concordaria em destinar dinheiro para o
governo comprar vacinas, a partir de previsão na Lei Orçamentária de 2021,
Ismael Alexandrino disse que o Estado precisa de recursos para adquirir
insumos, como seringas e câmaras de refrigeração, e para a logística. 

Sinal verde

Quanto ao imunizante, o titular da pasta da Saúde pontuou que o governo
goiano vai esperar pelo Ministério da Saúde, que deve dispor de 100 milhões de
doses. 

Papo reto 

Em resposta direta ao deputado João Campos (Republicanos), que apoia o
prefeitável Maguito Vilela e defende que permaneça no Senado, Vanderlan Cardoso
foi curto e grosso, ao dizer que a decisão caberá apenas ao eleitor. E
aproveitou para dizer que nunca esteve no radar da Lava Jato. 

Fio condutor 

Condutor da discussão, na Alego, do novo programa de incentivos fiscais,
o presidente da Casa, Lissaeur Vieira, aposta que o ProGoiás vai alavancar
novos negócios no Estado, por ser inovador e menos burocrático.

Na mira

Alvo de polêmica, o contrato que a prefeitura de Goiânia fechou com a
Saneago já é assunto de campanha. O prefeitável Elias Vaz (PSB) garante aos
funcionários do setor que vai mantê-lo, caso vença as eleições. 

Não pode 

Serve de alerta aos candidatos que disputam cargos eletivos em Goiás.
Doação acima de R$ 1.064,00 só pode ser feita por meio de transferência
bancária. Tanto que o vereador Carlos Bolsonaro (RJ) teve que devolver ao seu
pai, Jair, R$ 10 mil que ele havia lhe repassado em espécie.

Novo revés 

Afastado do cargo de prefeito de
Luziânia desde o início deste ano, após denúncia de assédio sexual, Cristovão
Tormin corre o risco de ter indisponíveis de seus bens, no valor de R$ 3
milhões, por ação do Ministério Público. 

CURTAS 

– A advogada Nara Bueno lança hoje o livro “Pequeno Manual das
Mulheres no Poder”. A obra traz orientações para mulheres que querem
conquistar cargos de poder e que participam do pleito eleitoral deste
ano. 

– Lei municipal é alterada, para reduzir de 65 para 60 a idade da pessoa
com livre acesso a eventos culturais em Goiânia. 


Compartilhe: