Coluna

Vaidade em excesso tende a esfacelar a tão desejada terceira via

Publicado por: Yago Sales | Postado em: 24 de janeiro de 2022

Existe uma máxima em política que a vaidade e arrogância são nitroglicerina pura para dinamitar qualquer aliança. Pelo menos até agora, este conceito tem prevalecido nas tratativas em se construir a chamada terceira via política para ‘quebrar’ a polarização Luiz Inácio Lula da Silva versus Jair Messias Bolsoraro. Fora os dois, já são dez pré-candidatos que buscam romper a muralha da polarização. Dois se destacam nessa tentativa: Ciro Gomes (PDT) e o ex-juiz Sérgio Moro (Podemos). Moro enfrenta a falta de estrutura em seu partido e tenta migrar para o União Brasil que será formalizado pelo TSE com a fusão do PSL+DEM, mas, Luciano Bivar (PSL) vetou Renata Abreu (Podemos) como vice gerando novamente um impasse. Enquanto isso, em Goiás, o deputado federal José Nelto (por enquanto no Podemos), corre contra o tempo em busca de outra legenda para disputar a reeleição. Nessa toada, dificilmente haverá candidato viável para ameaçar a terceira via. De qualquer forma, numa ilusão de ótica, Moro quer condenar, de novo, desta vez pelo voto, o seu principal rival: Lula.

Toma

Em resposta à provocação de um perfil bolsonarista no Twitter sobre se o neto teria vacinado contra a Covid-19, o senador Randolfe Rodrigues (Rede) enfatizou: “Queridos, ele não vai furar a fila!  A vez dele será amanhã (hoje), e fiquem tranquilos, terá direito a apresentar a carteira, fazer videozinho e ainda gritar viva o SUS e Fora Bolsonaro!”

Expectativa

Marina Silva (Rede), que ninguém sabe qual rumo vai tomar este ano, é disputada por Lula e Ciro. Não para ser vice, como foi de Eduardo Campos (em 2014, quando o político de Pernambuco morreu em um acidente aéreo). Na eleição de 2018, prevendo o desastre de Bolsonaro, declarou apoio “crítico” a Haddad.

Curiosidade

Em dezembro, Lula se encontrou com Marconi Perillo (PSDB). Fica uma pulga atrás da orelha. O que os dois, publicamente rivais desde o mensalão, discutiram? Lula ouviu o ex-governador de Goiás por quatro vezes sobre as necessidades goianas? Ou apenas tentou viabilizar um retorno ao cenário político com apoio do homem (Lula) que está à frente das pesquisas?

Cadê, prefeito?

Semana passada uma leitora ligou na redação do jornal O Hoje: “Pede pro Mendanha cuidar das nossas ruas aqui [em Aparecida]”. Quem precisa percorrer bairros mais afastados sofre, em dias de seca, com poeira e, em dias de chuva, com lamaçal. Um caminhão que coleta lixo ficou atolado esses dias.

Socorro

Já nos postos de saúde Goiânia, sob a gestão Rogério Cruz (Republicanos), a situação é alarmante. A reclamação é recorrente e tratada com normalidade pela Prefeitura: demora no atendimento que pode chegar a 4 horas.

Retorno

O governador Ronaldo Caiado (DEM) chega hoje a Goiás depois de receber alta. Ela estava internado em São Paulo para se tratar de uma infecção na próstata.

Curtas

Em setembro, véspera das eleições, a reservada ministra Rosa Weber assumirá a presidência do STF.

Compartilhe: