Otimização da cadeia produtiva torna operação saudável

Postado em: 04-04-2022 às 10h04
Por: Redação

Por Otávio Amaral

O mercado passa por diversas mudanças e transformações constantemente, mas existe algo que não sofre muita variação na rotina das empresas: a busca por alavancar o faturamento, obtendo novos clientes e ampliando as possibilidades de novos negócios. Porém, aumentar a carteira de clientes muitas vezes pode não significar um aumento no lucro.

Questões que são grandes desafios para os negócios podem interferir diretamente nos resultados, competitividade e sustentabilidade das operações, como é o caso da cadeia de suprimentos, também conhecida como supply chain. A venda é apenas um dos pontos que gerar impacto no faturamento, por isso, é essencial promover uma otimização dos processos envolvidos na cadeia produtiva.

A redução de custos é uma questão prioritária para os negócios e a inteligência de mercado é uma estratégia importante para que os negócios possam ser mais rentáveis. Para otimizar a cadeia produtiva é preciso analisar informações mais precisas, processos, entregas, entender quem são os clientes atuais e, principalmente, qual a forma mais eficiente de atendê-los.

Isso é possível por meio de plataformas de inteligência competitivas que são capazes de disponibilizar uma grande variedade de dados que possibilitará uma avaliação completa do cenário atual dos negócios. Desta forma, é possível traçar uma estratégia completa, entendendo todas as variáveis envolvidas desde o armazenamento até a entrega de um produto. 

Essa otimização vai garantir maior rentabilidade para a companhia, pois será possível identificar questões como a geolocalização dos clientes e parceiros, número de colaboradores, além de características mais específicas como ramo de atividade, inscrição estadual, se é ou não optante pelo Simples Nacional e SIMEI, natureza jurídica e se é matriz ou filial. Tais informações são decisivas para um planejamento eficiente que possa otimizar toda a cadeia produtiva, reduzindo custos e tornando a operação mais saudável.

Estes dados podem ajudar a encontrar um fornecedor mais próximo, reduzindo custos com frete e tempo de entrega de uma matéria prima essencial. Outro ponto é a possibilidade de fazer ofertas personalizadas para cada cliente, graças ao conhecimento prévio sobre o número de colaboradores, área de atuação da companhia e até mesmo o indicador de atividade empresarial.

Quando a empresa olha para o seu próprio processo consegue identificar lacunas que podem ser exploradas para que seja possível, por exemplo, reduzir o preço de venda de um produto e/ou serviço. Desta forma o negócio se torna mais competitivo e pode crescer consideravelmente.

É importante ter em mente neste processo de planejamento que promover uma otimização da cadeia produtiva não significa, necessariamente, gastar mais. Este é um processo que envolve uma melhor organização da operação, para que haja a devida estruturação, entendendo que ter mais clientes não irá resolver problemas, aumentar o faturamento ou proporcionar o crescimento se a operação não for saudável e der lucro.

É fundamental que as empresas adotem práticas que possam promover uma inteligência competitiva, que irá destacar o negócio perante os concorrentes e demais stakeholders do mercado. Concentrar esforços apenas em conseguir novos clientes pode impactar diretamente na longevidade das empresas. Muitas vezes os gestores pensam unicamente em aumentar a carteira de clientes, sendo que uma otimização da cadeia produtiva pode gerar aumentos significativos no faturamento, mesmo sem a realização de novas transações.

Não é só vender mais que torna uma empresa líder de mercado. É preciso ter uma estrutura capaz de gerar e aumentar constantemente o lucro, com isso, é possível reinvestir, adquirir novos clientes, crescer e liderar, se tornando uma referência para o setor de atuação. A otimização da cadeia produtiva vai garantir maior rentabilidade para a companhia.

Otávio Amaral é diretor executivo do Empresômetro Inteligência de Mercado

Compartilhe: