Terça-feira, 07 de fevereiro de 2023

De estupro a pedofilia: relembre 5 jogadores que foram acusados de crimes sexuais

Daniel não é o único jogador famoso que enfrenta ou enfrentou problemas com a Justiça. Há ainda casos envolvendo acusações de crimes sexuais, como pedofilia, estupro ou assédio sexual

Postado em: 24-01-2023 às 10h48
Por: Ícaro Gonçalves
Daniel não é o único jogador famoso que enfrenta ou enfrentou problemas com a Justiça. Há ainda casos envolvendo acusações de crimes sexuais, como pedofilia, estupro ou assédio sexual | Fotos: Reprodução

Na última semana, o lateral direito da seleção brasileira Daniel Alves entrou para uma lamentável lista de jogadores de futebol já acusados ou presos por suspeitas de crimes sexuais. Ele foi preso em Barcelona, na Espanha, suspeito de ter agredido sexualmente uma mulher em uma boate na cidade na madrugada de 30 de dezembro de 2022.

Daniel não é o único jogador famoso que enfrenta ou enfrentou problemas com a Justiça. Entre os casos famosos está o de Ronaldinho Gaúcho, preso por seis meses no Paraguai sob acusação de usar passaportes falsos para entrar no país. Ou ainda o do ex-goleiro Bruno, condenado pelo assassinato de Eliza Samudio.

Há ainda casos envolvendo jogadores sob acusações de crimes sexuais, como pedofilia, estupro ou assédio sexual. Nem todas essas denúncias se confirmam, é verdade, mas mesmo assim ficam como uma mancha na história dos jogadores.

Continua após a publicidade

Daniel Alves

O lateral direito marcou época com a camisa do Barcelona e que defendeu a seleção brasileira em duas Copas do Mundo (2014 e 2022). Atualmente ele está preso provisoriamente, investigado por supostamente agredir sexualmente uma mulher espanhola em uma boate na Catalunha, no fim do ano passado.

Em entrevista no começo de janeiro, quando o escândalo veio à tona, Daniel Alves afirmou que não conhece e “nunca viu na vida” sua acusadora. Já no depoimento dado depois que foi preso, segundo o jornal “El Periodico”, o lateral direito mudou de ideia e disse que teve uma relação sexual consensual com a suposta vítima.

Robinho

Foto: Reprodução/Twitter Robinho

O ex-jogador de Santos, Real Madrid, Manchester City e da seleção brasileira não pode deixar o país sob risco de ser preso e extraditado para a Itália, onde o atacante tem uma condenação de nove anos de reclusão por participação de um estupro coletivo de uma jovem de 22 anos.

O crime aconteceu em 2013, época em que Robinho defendia o Milan. De acordo com a condenação da Justiça italiana, o atacante e outros cinco homens tiveram relações sexuais sem consentimento com uma mulher alcoolizada dentro de uma boate. A defesa de Robinho já esgotou todas as tentativas de recurso, e a pena ainda só não foi executada porque o jogador agora vive no Brasil.

Karim Benzema

Foto: Reprodução

Benzema é o atual vencedor da Bola de Ouro de melhor jogador do mundo. Ele foi um dos principais jogadores do Real Madrid na conquista do título da Liga dos Campeões da Europa na temporada passada, mas já respondeu por crimes sexuais no ano de 2010.

Naquele ano, Benzema foi acusado de ter tido relações com uma então garota de programa chamada Zahia Dehar (hoje atriz, modelo e estilista de roupas íntimas), que tinha apenas 16 anos na época. O jogador negou ter contratado os serviços da acompanhante. E acabou absolvido em 2014 pela Corte Criminal de Paris.

Adam Johnson

Foto: Reprodução

Johnson disputou 12 partidas pela seleção inglesa e defendeu por duas temporadas o Manchester City. Ele ficou preso durante três anos por abuso sexual de menor. O jogador foi condenado a seis anos de prisão por ter praticado sexo virtual e ter um relacionamento físico com uma garota de 15 anos que havia recebido como presente uma camisa autografada do Sunderland, clube que defendia na época.

No julgamento, Johnson admitiu ter aliciado e beijado a adolescente. Em 2019, o meia foi liberado para cumprir o restante da pena em liberdade e, desde então, vem tentando encontrar um clube para retomar a carreira.

Jobson

Foto: Gabriel Melloni

O atacante que se destacou com a camisa do Botafogo na virada da década de 2000 para os anos 2010 teve problemas com drogas, chegou a passar quatro anos afastado do futebol por ter se recusado a fazer um exame antidoping e foi detido três vezes (duas por descumprir regras da liberdade condicional) devido a um suposto caso de estupro de vulneráveis.

Jobson, que hoje defende o Rio Branco no Campeonato Paranaense, foi acusado de ter levado adolescentes de 12 e 13 anos para sua chácara, no interior do Pará, onde as meninas teriam bebido, usado drogas e feito sexo. Em dezembro do ano passado, ele chegou a um acordo com o Ministério Público para a não persecução penal do caso.

Veja Também