Índice de desemprego em Goiás é de 7,7%

O número é 2,7% maior que o índice do mesmo período do ano passado

Postado em: 16-03-2016 às 06h00
Por: Sheyla Sousa
O número é 2,7% maior que o índice do mesmo período do ano passado

A taxa de desocupação registrada em Goiás no 4º trimestre de 2015 foi de 7,7%. O número é 2,7% maior que o índice do mesmo período do ano passado. O dado faz parte da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC) divulgada ontem (15) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

De acordo com o instituto, a taxa de desocupação – ou desemprego aberto– é a percentagem das pessoas desocupadas em relação às pessoas economicamente ativas. No Brasil, a taxa de desocupação chegou a 9% no 4º trimestre de 2015. Segundo o levantamento, os números são os maiores registrados pela pesquisa desde o seu início, em 2012.

Continua após a publicidade

No período estudado, o nível de ocupação em Goiás- indicador que mede a parcela da população ocupada em relação à população em idade de trabalhar- foi estimado em 59,8%. De acordo com os dados, a população sem emprego no Estado passou de 247 mil para 265 mil pessoas do 3º trimestre de 2015 para o 4º. 

Crise

O superintendente executivo do trabalho da Secretaria Cidadã, Jaime Bueno de Aguiar, afirma que o aumento da população goiana sem emprego reflete as consequências da crise econômica que o País vive. “O aumento de 5% na taxa de desocupação mostra que empresas estão demitindo e fechando, pois os desempregados não conseguem encontrar novos empregos”, explica.

Porém, diante dos números alarmantes do Brasil, Aguiar acredita que a situação do Estado de Goiás é boa em relação às outras Unidades de Federação. Segundo o superintendente, a principal alternativa utilizada para auxiliar os cidadãos goianos a encontrar um emprego é o Sine. “Inauguramos unidades em Cristalina e na Cidade Ocidental. Nosso objetivo é que a pessoa encontre trabalho em sua localidade e os empresários consigam mão de obra mais perto de sua instituição”, afirma.

Financeiro

Ainda de acordo com a pesquisa, o rendimento médio real dos goianos caiu no 4º trimestre de 2015 para R$ 1.773. No trimestre anterior, a média de salário era de R$ 1.898. No mesmo período do ano passado, o rendimento mensal era R$ 1.948. No 4º trimestre de 2015, o rendimento estimado para o Brasil foi de R$ 1.913, ou seja, Goiás ficou abaixo da média nacional de salário. (Karla Araujo) 

Veja Também