Falta de saneamento dificulta a vida de moradores do Senador Canedo

Moradores cobram obras de saneamento básico, prometidas durante atual gestão

Postado em: 30-08-2016 às 06h00
Por: Renato
Moradores cobram obras de saneamento básico, prometidas durante atual gestão

Lucas Lima

No setor Recanto das Oliveiras moradores enfrentam o problema da falta da rede de esgoto o que facilita a proliferação de doenças e causa riscos sérios à saúde das pessoas. Além do mau cheiro, a falta de canalização adequada para o tratamento do esgoto, expõe os moradores do setor a doenças como cólera, hepatite A, amebíase, e leptospirose.  Todas essas doenças são causadas por contato com o esgoto que corre livremente nas ruas. 
O morador Milton Nascimento mora no setor com a esposa e mais três filhos, uma criança de dez anos, outra de cinco, e a mais nova de três anos. As crianças costumam brincar na rua, e Milton teme pela saúde delas que estão expostas aos perigos causados pela falta de saneamento básico. Ele e a família sofrem com o mau cheiro, e reclamam dos animais que essa condição acaba trazendo, como ratos, baratas e moscas, o que facilita ainda mais a transmissão de doenças. 
Além disso, em tempo de chuvas o córrego que passa perto da casa dele muitas vezes transborda, e a água sobe até muito perto de sua casa, o que faz Milton temer ainda mais pela segurança de sua família.  
A prefeitura, por meio da secretaria de infraestrutura, afirma que a empresa que loteou o bairro seria a responsável pelas obras, e por motivos técnicos, a pavimentação asfáltica deve ser feita antes das obras para abertura das galerias da rede de esgoto, no entanto, a mesma não executou o trabalho. O Ministério Público então acionou a prefeitura para que desse início às obras.  
De acordo com o secretário de infraestrutura, Manoel Medeiros, a obra está sendo realizada por etapas, a primeira e a segunda foram concluídas, a construção das galerias fluviais e a ponte. No entanto, não é isso que diz os moradores do bairro, que ainda sofrem com as cheias do córrego, e com a falta da rede de esgoto e cobram promessas de campanha da então administração municipal. 
Quando questionamos sobre os locais onde o esgoto ainda corre a céu aberto, nos foi informado que a secretaria não tinha ciência sobre esses problemas. Além de tudo isso, de acordo com os moradores, o Imposto Predial Territorial urbano, (IPTU), sofreu um aumento significativo esse ano, aumento esse, que não tem sido convertido em melhorias para a população que mora no setor.
Nas ruas sem asfalto onde crianças brincam expostas ao risco de doenças, uma ponte começou a ser construída e a rede começou a ser aberta, mas as manilhas para a construção ainda estão à beira da rua, e as obras estão paradas, os moradores do bairro permanecem esperando uma resposta da prefeitura aos problemas que estão enfrentando na região. 

Veja Também