Ministério da Saúde repassa R$ 7 milhões para Goiás

O dinheiro será investido na melhoria de serviços ofertados por entidades filantrópicas

Postado em: 02-09-2016 às 06h00
Por: Redação
O dinheiro será investido na melhoria de serviços ofertados por entidades filantrópicas

Milleny Cordeiro

Entidades de saúde e filantrópicas de Goiás receberão do Ministério da Saúde (MS) aporte de R$ 7 milhões para ser investido nos serviços oferecidos por essas instituições. O recurso é parte dos R$ 513 milhões que serão repassados pelo MS às Santas Casas e hospitais filantrópicos de todo o País. A liberação da verba foi anunciada pelo ministro Ricardo Barros na manhã de ontem (1º), durante o 26º Congresso de Santas Casas e Hospitais Filantrópicos, realizado em Brasília, no Distrito Federal.

Do valor total, R$ 371 milhões serão investidos em novas habilitações e credenciamentos de 216 hospitais filantrópicos, distribuídos em 20 estados. Para Goiás, foram disponibilizados mais de R$ 4 milhões para realizar os procedimentos em cinco unidades. A outra metade da verba, R$ 141 milhões, servirá para qualificar os serviços oferecidos por 255 instituições em 19 estados brasileiros. Três instituições goianas serão beneficiadas, o que corresponde a R$ 3 milhões do total. 

Continua após a publicidade

O HOJE entrou em contato com a assessoria da Santa Casa de Misericórdia de Goiânia para saber se ela seria uma das beneficiadas, no entanto, a instituição alegou não ter sido notificada, uma vez que o anúncio do repasse foi feito ontem. A assessoria do Ministério da Saúde, até o fechamento desta edição, ainda não havia finalizado o levantamento nominal das instituições beneficiadas.

SUS
Com o repasse, o atendimento e a assistência a pacientes ligados ao Sistema Único de Saúde (SUS) serão aperfeiçoados e ampliados. Uma parceria com a Caixa Econômica Federal fortalecerá ainda mais a qualificação dos serviços prestados por essas entidades filantrópicas ao SUS, que terão 120 meses, com até seis meses de carência, para efetuarem o pagamento das operações de crédito. Assim, os recursos do MS poderão ser enviados antecipadamente às instituições. Antes, o limite era de 60 meses. 

Além disso, as instituições filantrópicas conveniadas ao SUS têm a linha de crédito limitada a 35%, de acordo com a margem financeira disponível em cada uma. O faturamento total não pode ultrapassar essa porcentagem que, antes, era estipulada em 30%.

Economia

Os R$ 141 milhões são provenientes de emendas parlamentares dos últimos dois anos que ainda não haviam sido pagas. A previsão é que o pagamento seja realizado em dezembro deste ano. A liberação dos recursos foi possível devido à gestão vigente do MS, que reduziu em 20% os custos dos contratos com empresas, além disso, gerou também uma redução de 33% dos valores de serviços gerais e a extinção de 417 cargos.

Veja Também