Operação que fiscaliza trabalho de motoristas de ônibus resulta em 23 interdições

Jornada excessiva de trabalho foi principal irregularidade encontrada

Postado em: 03-09-2016 às 13h00
Por: Redação
Jornada excessiva de trabalho foi principal irregularidade encontrada
Auditores Fiscais do Trabalho no Estado de Goiás realizaram nesta semana uma operação na Rodoviária de Goiânia para fiscalizar as condições de trabalho dos motoristas que transportam passageiros. A ação, realizada entre quarta (30/8) e sexta-feira (2/9), contou com o apoio da Polícia Militar (PM) de Goiás e da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). Durante os três dias de ações, foram realizadas 23 interdições, sendo algumas referentes a atividades dos motoristas e outras dos próprios ônibus, que rodavam em más condições, oferecendo riscos aos motoristas e passageiros.
 
Jornada excessiva dos motoristas, falta de registro ou vínculo trabalhista entre os profissionais e as empresas, problemas no tacógrafo e más condições dos ônibus por falta de adequada manutenção foram problemas mais frequentes. É o que afirma a auditora fiscal do Trabalho Jacqueline Carrijo, coordenadora do projeto "Transportes" da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego em Goiás (SRTE/GO). 
 
Segundo Jacqueline, em caso de flagrante de irregularidades, a análise do tacógrafo, verificação das condições do veículo e o  depoimento do motorista costumam ser os primeiros procedimentos adotados pelas equipes de fiscalização. "No caso dos tacógrafos fraudados, nós não podemos confiar nas informações por eles registradas", explica. 
 
Um dos veículos apreendidos durante a operação não possuía cinto de segurança em nenhum dos bancos e, mesmo sem ar condicionado, estava com todas as janelas travadas, impedindo a circulação de ar. "O calor era excessivo e em caso de um possível acidente, os passageiros não conseguiriam sair pelas janelas, o que acabaria dificultando o resgate, por exemplo", detalha a auditora fiscal.
 
Todos os veículos apreendidos são levados pela Auditoria Fiscal do Trabalho para um pátio seguro, onde permanecem interditados  até que a empresa regularize a situação. "A função da auditoria fiscal do trabalho é proteger o trabalhador. Portanto, todas as situações que podem tirar a segurança do trabalhador e também do passageiro são levadas em consideração pela nossa equipe", finaliza Jacqueline Carrijo.
 

Veja Também