Prefeitura autoriza que construtora do Nexus retire árvores de calçada

Cinco árvores saudáveis localizadas nas calçadas das Avenidas D e 85 foram cortadas

Postado em: 07-09-2016 às 06h00
Por: Redação
Cinco árvores saudáveis localizadas nas calçadas das Avenidas D e 85 foram cortadas

A Consciente Construtora e a JFG Incorporações, responsáveis pelas obras do Nexus Shopping & Business, solicitaram à Prefeitura de Goiânia que cinco árvores saudáveis localizadas nas calçadas das Avenidas D e 85 fossem extirpadas por estarem em local incompatível com o projeto do Nexus, que visa estruturar o local para a construção de uma “calçada sustentável”. 

A assessoria de imprensa da Agência Municipal do Meio Ambiente (Amma) informou ao O HOJE que a retirada das cinco árvores, quatro oitis e uma aroeira pimenteira, foi autorizada em laudo porque os exemplares arbóreos estariam prejudicando a acessibilidade no local, além de atrapalhar a construção da calçada sustentável, obra que consta no projeto do Nexus. Além disso, foi constatado no laudo que elas apresentavam “conflito com a fiação aérea de alta e baixa tensão”

A reportagem procurou pelo presidente da Companhia de Urbanização de Goiânia (Comurg), Edilberto Dias, para saber se as árvores não poderiam ser replantadas em outro lugar, já que elas não apresentavam nenhuma alteração que as comprometessem e estavam saudáveis. Edilberto explicou que as árvores não poderiam ser transferidas para outro local porque a Comurg não dispõe de capacitação técnica para a ação. 

Continua após a publicidade

Edilberto Dias confirmou que as árvores foram cortadas por ocupar um espaço planejado com outro objetivo no projeto da construção do Nexus e que elas atrapalhariam uma garagem. Ele ainda informou que a obra do Nexus, alvo de uma ação civil-pública do Ministério Público de Goiás (MPGO) por apresentar possíveis fraudes em seus projetos, será fiscalizada pela prefeitura a fim de evitar acidentes.

Ainda segundo a assessoria da Amma, “como compensação serão plantadas dez árvores na conclusão da obra”. O corte revoltou algumas pessoas que lamentaram a ação sob a justificativa de que, antes do empreendimento, as árvores não incomodavam. Além disso, questionamentos sobre quais árvores serão plantadas ao fim da obra e o tempo que elas levarão para crescer no local foram levantados. 

Possíveis irregularidades

Para a extirpação das árvores, a Amma teve acesso aos projetos da obra aprovados pela Secretaria de Planejamento, Urbanismo e Habitação (Seplanh) e pela Secretaria Municipal de Trânsito, Transportes e Mobilidade (SMT). No entanto, mesmo com as aprovações, o projeto de construção do Nexus teve as obras paralisadas em junho do ano passado sob a justificativa de falta de estudos sobre o impacto da estrutura no trânsito e vizinhança. 

A construtora responsável recorreu da decisão e, em agosto deste ano, a liminar que paralisava as obras foi suspendida pelo Tribunal de Justiça de Goiás até que seja feito o julgamento do mérito do processo.

Veja Também