Alimentação escolar será expandida

Com apoio do Centro de Excelência contra a Fome — organismo fruto de uma parceria entre o governo brasileiro e as Nações

Postado em: 09-09-2016 às 06h00
Por: Redação

Com apoio do Centro de Excelência contra a Fome — organismo fruto de uma parceria entre o governo brasileiro e as Nações Unidas —, o Programa Nacional de Alimentação Escolar de Moçambique (PRONAE) vai duplicar o número de centros de ensino que oferecem refeições diárias aos alunos, de 12 para 24 colégios.
O futuro da iniciativa, ainda em fase piloto, foi definido ao final de agosto, em reunião em Maputo que avaliou as conquistas obtidas desde 2013, quando o projeto teve início. O programa conta com a participação também da Agência para o Desenvolvimento Internacional dos Estados Unidos (USAID) e do Programa Mundial de Alimentos (PMA).
Entre os principais desafios identificados pelos representantes dos parceiros, estão a oscilação dos preços de produtos agrícolas e a ausência de orçamentos bem definidos. Para solucionar esses problemas, especialistas sugeriram o estabelecimento de preços mínimos e máximos, o aumento da eficiência na gestão financeira e a formulação de uma legislação específica para a alimentação escolar.
ONU e governos dos três países envolvidos reconheceram que a iniciativa deve ser expandida para todo o país em etapas. Isso exigirá a capacitação de técnicos que administram o PRONAE e o mapeamento de agricultores que possam se tornar fornecedores de alimentos.

Veja Também