Operação da Polícia Civil desarticula esquema de corrupção em presídio

O objetivo é desarticular uma organização criminosa composta por servidores públicos, advogados e presos do complexo prisional de Aparecida de Goiânia

Postado em: 19-10-2016 às 19h00
Por: Toni Nascimento
O objetivo é desarticular uma organização criminosa composta por servidores públicos, advogados e presos do complexo prisional de Aparecida de Goiânia


Da redação
A Polícia Civil (PC), por meio da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco), deflagrou a Operação Livramento na manhã desta quarta-feira (19). A operação contou com 202 agentes, 55 delegados e 58 escrivães, além de apoio da Polícia Militar e Técnico-Científica, Corpo de Bombeiros Militar, superintendências de Administração Penitenciária e de Ações Integradas, Receita Federal e OAB.

De acordo com a corporação, o objetivo é desarticular uma organização criminosa composta por servidores públicos, advogados e presos do complexo prisional de Aparecida de Goiânia. 

Ao todo são cumpridos 134 mandados, sendo 35 de prisões preventivas, 28 de prisões temporárias, oito conduções coercitivas e 63 de busca e apreensão. Ação resultou na prisão de 52 pessoas.

Continua após a publicidade

Durante as investigações, os agentes descobriram um esquema de corrupção sistêmica dentro dos presídios. Vários servidores são apontados como participantes na liberação irregular de presos, alguns por meio de falsificação de decisões judiciais e até uso de atestados médicos falsos.

A suspeita é de que os agentes envolvidos, que recebiam inicialmente os presos na Central de Triagem, indicavam ou exigia a contratação dos advogados operadores do esquema. Há indícios também de carcereiros que exploravam sexualmente os presos em troca de abono de faltas em regime semiaberto.

Além das prisões, foi ainda determinado o afastamento das funções de todos os servidores suspeitos de envolvimento e a suspensão do exercício da advocacia.   

Veja Também