Projeto de lei prevê novos padrões de calçadas na Capital

O projeto de lei determina a construção, modificação, adaptação e manutenção das calçadas no município de Goiânia

Postado em: 20-10-2016 às 08h00
Por: Redação
O projeto de lei determina a construção, modificação, adaptação e manutenção das calçadas no município de Goiânia

Wilton Morais

O projeto de lei complementar que determina a construção, modificação, adaptação e manutenção das calçadas no município de Goiânia, apresentada pelo prefeito Paulo Garcia (PT) foi aprovada nesta terça-feira (18), em primeira votação na Câmara Municipal de Goiânia. A próxima e última votação do projeto deverá acontecer na próxima semana, conforme informações da Casa.
 
Os princípios da proposta consistem na determinação da acessibilidade, segurança, desenho adequado e conforto. Segundo a superintendente municipal de direitos da pessoa com deficiência e mobilidade reduzida, Cidinha Siqueira a proposta atinge toda a população do município. “De imediato, as novas calçadas serão construídas de forma adaptadas, em seguida as mais antigas. Todos precisarão mudar, temos diversos modelos de calçadas em Goiânia, é um desgaste muito grande”, avalia.

O presidente do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Goiás (CREA-GO) e engenheiro agronômo, Francisco Almeida afirma a importância em tornar o município acessível. “Quando se fala em acessibilidade, a maioria das pessoas pensa em deficientes físicos. Mas eles são apenas uma parte. Todos precisaram de acessibilidade. As pessoas não conseguem andar nas calçadas com as irregularidades”, avalia. 

Continua após a publicidade

Regulamentação

A mudança nas calçadas ficará a cargo do proprietário da residência. “Um dos maiores índices de entrada no Hospital de Urgência de Goiânia (Hugo), são de pessoas que se acidentaram em calçadas. Assim, cada morador é responsável por construir uma calçada com padrão para transitar com segurança”, disse a superintendente responsável por auxiliar a elaboração da proposta. 

Para o presidente do CREA-GO, a lei irá regulamentar a responsabilidade da construção de calçadas na cidade. “Temos um dilema no município, em não saber de quem é a responsabilidade das calçadas. Com a lei isso será definitivamente responsabilidade dos moradores”. Municípios da Europa e até mesmo do estado de São Paulo já possuem calçadas regulamentadas e padronizadas. 

Calçadas

Conforme Cidinha, serão três partes diferentes nas calçadas que irão garantir a determinação da proposta.  “A primeira faixa de serviço rente ao asfalto será designada aos postes de iluminação pública, arvores, correio, e equipamentos públicos. A primeira parte poderá ser de grama e cimento”, afirma.

A segunda faixa denominada livre, deverá possuir entre 1,2 e 1,5 metros variando da largura das calçadas. “O passeio tem que estar tranqüilo, com piso de cimento liso, porém, antiderrapante. A finalidade é dar acesso ao pedestre e deficiente visual, com piso tático”, explica. Já a faixa de acesso, terceira e última, superior a 2 metros irá acomodar rampa ao limite do lote, para saída e entrada de veículos na garagem, a mesma será de cimento.

Multas 

A regularização e adaptação das calçadas já são determinadas por decreto municipal. Com a aprovação da lei, os moradores que não se adaptarem terão que desembolsar R$ 200 em multas. De acordo com a superintendente, o valor subirá à medida que as adequações não forem colocadas em prática. Os proprietários de calçadas já construídas serão notificados sobre a adequação, após a aprovação do projeto. A fiscalização das calçadas será realizada pela Secretaria Municipal de Planejamento (Sepan), por meio da fiscalização do município.

Veja Também