Servidores técnico-administrativos da UFG, IFG e IF Goiano iniciam greve

A categoria reivindica a não aprovação da PEC 241, que prevê o congelamento dos gastos públicos pelos próximos 20 anos.

Postado em: 25-10-2016 às 11h00
Por: Redação
A categoria reivindica a não aprovação da PEC 241, que prevê o congelamento dos gastos públicos pelos próximos 20 anos.

Da redação

Trabalhadores técnico-administrativos em Educação (TAEs) iniciaram uma greve na manhã desta segunda-feira (25) na Universidade Federal de Goiás (UFG), no Instituto Federal de Goiás (IFG) e no Instituto Federal Goiano (IFGoiano). 

A paralisação foi aprovada em assembleia realizada na semana passada. A categoria reivindica a não aprovação da PEC 241, que prevê o congelamento dos gastos públicos pelos próximos 20 anos. 

Continua após a publicidade

Na última sexta-feira (21), o Conselho Universitário (Consuni)da UFG divulgou uma nota afirmando que a eventual implementação do teto causará consequências desastrosas para a educação. 

"As Universidades Federais brasileiras, entre elas a UFG, estarão sujeitas  a limitações orçamentárias que colocarão em risco o pleno desenvolvimento de suas atividades de ensino, pesquisa, extensão e inovação. Mais grave, tornará inviável a ampliação de vagas oferecidas em seus cursos", informa o documento. 

Manifestação

Também contrários à PEC, estudantes do Centro de Ensino e Pesquisa Aplicada à Educação (Cepai) da UFG ocuparam a unidade na manhã desta terça-feira (25). Seguindo o exemplo de alunos de outros seis campus de institutos federais no Estado, que estão ocupados. 

Manifestantes também bloquearam a entrada do prédio da Reitoria da UFG. 

Foto: reprodução (Desneuralizador/Facebook)

Veja Também