Afogamento é a 4° maior causa de morte em adultos

O afogamento já aparece como a segunda maior causa de mortes acidentais em crianças e adolescentes no Brasil

Postado em: 26-10-2016 às 06h00
Por: Sheyla Sousa
O afogamento já aparece como a segunda maior causa de mortes acidentais em crianças e adolescentes no Brasil

Em Goiás, a vasta rede hidrográfica, as características do clima e o grande número de piscinas são fatores de risco para os afogamentos que, geralmente, ocorrem de forma acidental, em situações de lazer, quando é pouco cogitada a possibilidade de uma tragédia.
O Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Goiás (CBMGO) registrou de janeiro a agosto desse ano, 33 mortes por afogamento em Goiás, no mesmo período do ano passado foram 43 mortes. Ao total em 2015, foram 85 mortes por afogamento. Já em 2014 o número de casos foi menor com 71 mortes por esse motivo.
No último domingo, um jovem se afogou ao nadar com amigos no Rio Paranaíba, em Catalão, região sudeste de Goiás. O Corpo de Bombeiros foi acionado e após as buscas o corpo dele foi localizado a três metros de profundidade. Em setembro, um idoso morreu afogado no Rio Capivari, em Goiânia, os relatos são que assim que entrou na água ele pediu socorro, mas não houve tempo de ser resgatado.
Os bombeiros temem novos casos de afogamento com a chegada do final do ano, pois se inicia as festas de comemorações. Com as festas, há um aumento no consumo de bebida alcoólica fazendo que as pessoas se encorajem a ir para um local mais distante da margem e percam resistência ao nadar, e com o fato de várias das comemorações serem realizadas às margens de rios e piscinas o risco de afogamento é maior.
Alem disso, com as férias escolares se aproximando, o Corpo de Bombeiros irá desenvolver ações focadas na prevenção de afogamentos no Estado, com demonstrações voltadas para o público infantil. As ações dos bombeiros visam à redução no número de vítimas, pois todos os anos no Brasil 1.100 crianças morrem vítimas de afogamento segundo o Ministério da Saúde. Com isso, o afogamento continua a se manter como a segunda causa geral da morte de crianças de cinco á nove anos.

Prevenção
Alguns cuidados são essenciais para reduzir o risco de afogamento. Em relação às crianças, é necessário que tenha sempre supervisão de um adulto para evitar o afogamento em caso de viagens para locais com piscinas, lagos, rios ou mar. É indispensável que quando atinjam idade apropriada, as crianças aprendam a nadar. As que não sabem nadar devem usar bóias e coletes salva-vidas o tempo todo. A atenção dos pais ou responsáveis deve ser contínua também em casa, especialmente pelo alto índice de afogamento de bebês em suas próprias residências.
Entre os adultos, o primeiro cuidado é evitar o consumo de bebidas alcoólicas antes de entrar na água, principalmente se estiver sozinho. Nunca nadar contra a corrente, mas sim em sentido diagonal, caso não consiga voltar, chame por ajuda, é importante que não se intimide e grite por socorro. Sempre nadar e permanecer longe de encostas e pedras e havendo a necessidade de socorrer alguém, procure um material flutuante para jogar até a pessoa ao invés da ação corpo a corpo.

Veja Também