Serial killer é absolvido por morte de jovem

Essa é a primeira vez que o jovem é inocentado de um crime. Ele responde a mais de 30 homicídios e já foi condenado por 17 assassinatos

Postado em: 26-10-2016 às 14h45
Por: Redação
Essa é a primeira vez que o jovem é inocentado de um crime. Ele responde a mais de 30 homicídios e já foi condenado por 17 assassinatos

O vigilante Tiago Henrique Gomes da Rocha, 28 anos, apontado com seria killer, foi absolvido nesta quarta-feira (26) da morte de Edimila Ferreira Borges, de 18 anos, que aconteceu em uma praça do Setor João Braz, em Goiânia. Essa é a primeira vez que o jovem é inocentado de um crime. Ele responde a mais de 30 homicídios e já foi condenado por 17 assassinatos.

A única testemunha presencial da morte de Edimila não reconheceu Tiago como sendo o autor do crime. A prima da vítima, que na época tinha 11 anos e também foi ferida de raspão no ombro pelo criminoso, afirma que o suspeito tinha outras características físicas.

Continua após a publicidade

“O homem que abordou a gente era diferente do Tiago. A pessoa tirou o capacete e eu não fiquei encarando ele, fiquei olhando mais para a região da boca. O tamanho da boca do Tiago é menor, o pescoço é diferente, o jeito de andar" disse a adolescente, que atualmente tem 14 anos.

Edimila foi morta no dia 19 de agosto de 2013, em Goiânia. Ela estava sentada em um banco de uma praça do Setor João Vaz junto com a prima, quando um homem em uma motocicleta parou, atirou e fugiu. A jovem, que morava na Bahia, passava férias na capital goiana.

De acordo com a Polícia Militar, o suspeito teria parado o veículo e pedido que as garotas entregassem o celular. Porém, antes que elas pegassem os aparelhos, o rapaz disparou. Além de acertar a jovem de forma fatal, a bala ainda atingiu de raspão o ombro da prima.

Na sentença consta que, "no momento do debate o represente do Ministério Público requereu a absolvição do acusado, tendo em vista a ausência de provas suficientemente hábeis a comprovar a autoria delitiva imputada ao denunciado". Já a defesa sustentou que Tiago não cometeu o crime.

Veja Também