Forças de segurança iniciam operação de combate à criminalidade

A Operação Guardião teve início hoje, em reunião entre corporações com a presença do secretário de Segurança Pública e Administração Penitenciária, José Eliton

Postado em: 31-10-2016 às 08h00
Por: Redação
A Operação Guardião teve início hoje, em reunião entre corporações com a presença do secretário de Segurança Pública e Administração Penitenciária, José Eliton

Da redação

As forças de segurança de Goiás deram início na madrugada desta segunda-feira (31) à Operação Guardião, com o objetivo de combater a criminalidade em Goiânia e região metropolitana. A operação, sem data para encerrar, ocorre de forma integrada e contará com atuação das polícias Militar e Civil, Corpo de Bombeiros Militar (CBMGO), Superintendência de Proteção aos Direitos do Consumidor (Procon-GO), e Agência Prisional, dentre outros.

As ações tiveram início às 6h no pátio da Academia da Polícia Militar, em reunião com presença do vice-governador e secretário de Segurança Pública e Administração Penitenciária, José Eliton.  Na oportunidade, todas as corporações envolvidas receberão as orientações. De acordo com o comandante-geral da PMGO, Coronel Divino Alves, a operação visa a atuação preventiva e ostensiva, com a realização de bloqueios em pontos estratégicos da Capital e região metropolitana, abordagens a veículos e pessoas em atitude suspeita.

Continua após a publicidade

O comandante informa, ainda, que todas as forças especiais da PMGO participarão da operação. A exemplo do Grupo de Radiopatrulha Aérea (GRAer), Rondas Ostensivas Táticas Metropolitanas (Rotam), Batalhão de Polícia Militar de Choque (BPMChoque), Batalhão de Polícia Militar Rodoviária (BPMRv), Batalhão de Polícia Militar Ambiental (BPMAmb) e Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE).

O vice-governador e titular da SSPAP, José Eliton, afirmou que "é hora de mostrarmos o nível de excelência das forças policiais". No entanto, para ele, a ação policial, por si só, pode não ser eficiente no cambate a criminalidade. "São  necessárias mudanças drásticas na legislação para garantir a efetividade no cumprimento das penas por parte dos que cometem delitos", defende.

Veja Também