Vacina contra a dengue é indicada para quem já teve a doença

Infectologista explica como e para quem funciona a vacina que age na prevenção contra a dengue

Postado em: 01-11-2016 às 06h00
Por: Redação
Infectologista explica como e para quem funciona a vacina que age na prevenção contra a dengue

Elisama Ximenes

As campanhas contra as doenças transmitidas pelo Aedes aegypti são focos nos Estados que ocupam o Cerrado. A dengue, por sua incidência maior, é a principal combatida, e o surgimento de uma vacina que previna o seu contágio vem a calhar. A vacina chegou ao Laboratório Atalaia em agosto deste ano. O instrumento de imunização contra a doença, no entanto, funciona para quem já pegou o vírus uma vez. Dessa maneira, ela funciona para evitar que o paciente tenha complicações maiores, em um segundo contágio, além de prevenir um novo aparecimento da doença. 

Segundo informações do Ministério da Saúde, a incidência de dengue no Brasil aumentou 30 vezes nos últimos 50 anos. De acordo com as estimativas do órgão, 50 milhões de casos da doença e 2,5 bilhões de mortes, em decorrência dessa infecção, são esperados por ano. Nos três primeiros meses do ano, 143.731 suspeitas da doença foram notificadas no Estado de Goiás. Ainda, de acordo com os dados, 65.684 dos casos foram confirmados. Em relação ao mesmo período do ano anterior, a incidência da doença aumentou em 18,4%. Em 2015, o estado bateu recorde de notificações, totalizando 182 mil registros, 91 mil casos confirmados e 76 mortes.

Continua após a publicidade

De acordo com a médica e infectologista Kelly Oliveira, do Laboratório Atalaia,  a vacina é produzida com o vírus atenuado para estimular a produção de anticorpos. “Além disso, essa medicação protege o corpo contra os quatro tipos da doença. Vale lembrar que todas as quatro variações estão em circulação no Brasil, portanto pode-se contrair a doença até quatro vezes”, explica a médica. A prioridade da criação da vacina para quem já teve a doença uma vez justifica-se no fato de que o segundo contágio pode causar um quadro mais grave à saúde do indivíduo. “Em casos avançados, pode resultar na dengue hemorrágica, aumentando o risco de morte”, informa a infectologista.

A vacina é composta por três doses, que devem ser aplicadas a cada seis meses. Apesar de o processo de imunização já se iniciar a partir da primeira dose, a médica reforça que a eficácia se dá, de fato, somente após a terceira dose. “É indicado que se continue a prevenção costumeira ao mosquito, com o uso de repelentes, por exemplo, mesmo para aqueles que já estão vacinados”, reforça Kelly. Ela lembra que, apesar de a vacina prevenir o contágio da dengue, o Aedes aegypti ainda pode transmitir a zika e a chikungunya.

A vacina é recomendada para pessoas com idade entre 9 e 45 anos. Entretanto ela é restrita para gestantes, mulheres que estão amamentando e pessoas com doenças imunológicas. As últimas ocorrem quando o sistema imunológico, responsável por proteger o organismo de infecções, não funciona corretamente ou é debilitado, deixando a pessoa mais suscetível à contração de doenças. Assim, como a vacina funciona com um vírus atenuado, o organismo dessa pessoa não daria conta de combatê-lo da maneira esperada, e poderia ocasionar em um novo aparecimento da doença e não na sua prevenção.

Veja Também