Safra de jabuticaba deve movimentar mais de R$ 100 milhões

Com mais de 115 produtores e 14 fazendas abertas para visitação, mercado do ‘ouro negro’ de Goiás é aquecido

Postado em: 21-09-2021 às 08h25
Por: Redação
Com mais de 115 produtores e 14 fazendas abertas para visitação, mercado do ‘ouro negro’ de Goiás é aquecido | Foto: Jota Eurípedes

Por Alzenar Abreu

A fruta ” festiva” com ponto alto para colheita e visitação de pomares entre os meses de setembro e novembro deve movimentar este ano mais de R$ 100 milhões com a produção de produtos derivados, comercialização da fruta e turismo em Goiás.       

Denominada pelo secretário de turismo de Hidrolândia, Silvio Quirino, como ‘ouro negro’ a jabuticaba, que pontilha e colore mais de 100 mil pés só na região de Hidrolândia, é um deleite para degustação tipicamente brasileira e de difícil plantio fora do País. 

Continua após a publicidade

Com trabalho realizado desde o início do ano, a prefeitura de Hidrolândia, conta agora com um mapa que catalogou mais de 100 propriedades aptas para venda do fruto in natura e subprodutos.

Além dos derivados como geleias, rapaduras, licores, cachaças, vinhos e até farinha, haverá, em breve, lançamento por marca famosa de molho de pimenta industrial, com o insumo adocicado.

De acordo com Silvio, pela primeira vez, está em divulgação no site da prefeitura de Hidrolândia o mapa turístico do município que conta com o número de produtores (105) e outras 15 que já estão preparadas para receber visitantes aos pomares e para consumo da jabuticaba da forma mais divertida possível, no pé da própria árvore.

“A divulgação desse trabalho tem sido feita durante todo o ano. Esperamos turistas do Brasil e do mundo para conhecer a beleza, riqueza e doçura peculiar dessa fruta que certamente ficará marcada na memória afetiva de quem prová-la de forma tão generosa”, diz Silvio.

Mar de pomares

Uma das fazendas da região, a Jabuticabal, enche os olhos dos visitantes com cenário de cinema e um verdadeiro mar de pomares carregados de jabuticaba. “Com a divulgação nas redes sociais do mapa esperamos um acréscimo de 300% de lucro para produção local”, contabiliza o secretário.  

De acordo com um dos sócios da fazenda Jaboticabal, a maior propriedade no Estado em número de jabuticabeiras, Paulo Antônio Batista, o lucro da jabuticaba se potencializa com as visitas turísticas e, depois, com a venda dos produtos fabricados. Ele acrescenta que a propriedade é (pet friendly) aceitam cães de pequeno porte no passeio entre as jabuticabeiras, com o cuidado do dono não deixar a sujeirinha do animal na propriedade. ” Temos coletores de lixo em toda fazenda, para isso. Quem tem seu amigo pet, pode trazê-lo, também.

Para a analista de desenvolvimento rural da Agência Goiana de Assistência Técnica Extensão Rural e Pesquisa Agropecuária (Emater), Alenir Batista, os produtores estão mais encorajados este ano.

“Eles receberam tanto apoio da Emater na oferta de cursos de capacitação para o uso comercial e turístico da fruta como da prefeitura que tem potencializado a divulgação. Alguns fazendeiros já vão atuar esse ano com a oferta de produtos via aplicativos de entrega e e-commerce. O que abre as portas da jabuticaba goiana para o mundo.

Mercado internacional

Em pesquisa a grandes sites internacionais de vendas foram encontrados para aquisição fora do País, apenas uma geleia paulista, ao custo de U$ 20, dois vinhos produzidos na Austrália por cerca de U$ 23 e uma geleia do Havaí,  com  custo similar. “Temos um mercado imenso a ser explorado”, diz Alenir.

A fruta é conhecida em inglês como Brazilian Grape Tree ou Jabuticaba Berries. No rótulo da fábrica australiana é contado a origem do plantio naquele país, a partir de mudas levadas de São Paulo, em pleno cultivo, há 20 anos.

A Fazenda Jaboticabal, no distrito de Nova Fátima, possui o maior pomar de jabuticaba do mundo. São mais de 60 mil pés. Somada às demais propriedades, espera-se, este ano, uma produção ímpar, com ampla consumação e visita com expectativa de lucro de até 70% para venda dos produtos comercializados.

“A fruta congelada pode abastecer o comércio de derivados o ano inteiro”. “Porque os produtos advindos da polpa extraída são matéria-prima para produção artesanal ou industrial”, diz Alenir.

Ela acrescenta que o trabalho da Emater proporcionou aos menores produtores a oportunidade de participar de cursos de capacitação para o desenvolvimento de diversos produtos.  “Isso estimulou muito o trabalho nas pequenas propriedades. Ao longo desses meses, no preparo para safra, os cursos ministrados trouxeram a possibilidade do ganho econômico abrindo, assim, a exploração econômica para dezenas de novos produtores”, completa.

Festival

Com expectativa para o ano que vem, a fruta saborosa caberá em pratos e produções diversas em elaborações doces ou salgadas, além da apresentação do grupo histórico das fiandeiras de Hidrolândia.

O secretário Silvio adiou a festa este ano por conta da pandemia, mas aposta para o ano que vem, em parceria com o Sebrae, Emater e governo do Estado.

Temporada movimenta economia local

Conhecida nacionalmente pela produção de jabuticaba, Hidrolândia, município na Região Metropolitana de Goiânia, segue até novembro a temporada da fruta, movimentando a economia local com a comercialização tanto in natura quanto de produtos derivados. A cidade, que lidera o ranking de municípios brasileiros que cultivam jabuticaba, coloca o Estado em destaque, o maior produtor do País, de acordo com a Radiografia do Agro, publicação da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa).

Anualmente, o Governo de Goiás, por meio da Agência Goiana de Assistência Técnica, Extensão Rural e Pesquisa Agropecuária (Emater), realiza o acompanhamento da produção junto aos agricultores da região.

Somente na Fazenda Jabuticabal, no Distrito de Nova Fátima, a safra deve atingir 200 toneladas. A propriedade detém o maior pomar de jabuticaba do mundo, com 42.000 pés de jabuticabeiras distribuídos em uma área de 100 hectares.

Pioneira, a fazenda realiza atividades de ecoturismo desde a década de 1960, recebendo milhares de visitantes, que podem apreciar a fruta diretamente da árvore. Em decorrência da pandemia do novo coronavírus, medidas de prevenção foram tomadas para receber o público, como a obrigatoriedade do uso de máscaras e disponibilização de álcool para a higienização em todas as áreas.

Entre as atrações está a lojinha onde são comercializados diversos produtos derivados da jabuticaba, entre doces, molhos e até bebidas fermentadas feitas a partir da fruta. A coordenação conta com o apoio da unidade local da Emater em Hidrolândia, que orienta os agricultores quanto ao processamento dos alimentos, padronização e qualidade dos produtos.

Curiosidades sobre a Jabuticaba

Raramente consegue ser cultivada em outros países. Por isso é a fruta mais brasileira que existe;

É natural da Mata Atlântica e pode alcançar 10 metros de altura produzindo frutos tenros com aproximadamente 2,9 cm de diâmetro;

Rica em vitaminas e minerais, a jabuticaba é extremamente benéfica à saúde, tendo ação antioxidante e antialérgica;

Pesquisas da Unicamp comprovaram que a casca da jabuticaba pode prevenir o câncer, como o de próstata e a leucemia;

Valores nutricionais em 100 g de jabuticaba: 58.1 Kcal, rica em vitamina C, potássio, fósforo e magnésio;

O plantio deve ser feito no período de chuva, mantendo o colo da muda em torno de cinco cm acima da superfície do solo;

A primeira produção de jabuticaba começa a partir do 5º ano do plantio, indo até os 30 anos. Uma jabuticabeira pode produzir mais de 1.000 kg de jabuticabas/ano;

No que diz respeito à quantidade de antioxidantes por 100g de fruta, as jabuticabas superam os mirtilos, as uvas e até o açaí e possui propriedades antinflamatórias.

Veja Também