Diminui em 11% número de transplantes em Goiás

Mais de 1,2 mil goianos estão na fila por um órgão

Postado em: 21-09-2021 às 09h07
Por: Daniell Alves
Mais de 1,2 mil goianos estão na fila por um órgão | Foto: Reprodução

Goiás registrou queda de 11% no número de  transplantes em comparação ao primeiro semestre do último, de acordo com a Secretaria de Estado da Saúde (SES-GO). Apesar da redução, o Estado ainda ficou abaixo da média brasileira, que é de 26%. Devido à pandemia da Covid-19, os procedimentos para transplantação de órgãos foram um dos mais prejudicados.

Atualmente, o número de indivíduos na fila para receber um órgão é de 1.228 em Goiás. Em todo o país, a estimativa é que haja cerca de 46 mil pessoas. Com o cenário crítico, a Central de Transplantes da SES intensificou as ações para reduzir os prejuízos causados pelas paralisações do ano passado.

No último ano, o procedimento permaneceu parado por cerca de um mês para que as adaptações fossem realizadas, a exemplo da realização do exame RP-PCR para Covid-19. Além disso, outro ponto negativo foi o receio dos pacientes de serem transplantados em meio a uma crise sanitária.

Continua após a publicidade

Córneas

No momento, a fila maior é para pacientes que necessitam de córnea (1.047 pessoas), conforme dados da Secretaria. O quantitativo é bastante superior ao de pessoas que precisam de outros órgãos, como fígado (9 pessoas) e rins (172 pessoas). De acordo com gerente da Central de Transplantes, Katiúscia Freitas, o transplante de córneas foi parado no Brasil inteiro, por recomendação do Ministério da Saúde, por seis meses. “Foi o mais prejudicado. Nossa fila, hoje, está perto de 1100 pessoas”, diz.

Goiás foi o 5º estado que mais transplantou rins no País por milhão de habitantes em 2020, informa a gerente. O fechamento do último ano ainda foi superior ao de 2019. “No início da pandemia, foi difícil para todos os estados. Alguns pararam totalmente. Tivemos problemas como malha aérea. Mesmo assim, fechamos 2020 com 80 doadores, mais do que 2019, que teve 75. Isso se deve porque a Secretaria tentou resguardar o Hospital Geral de Goiânia, e mantivemos as campanhas de doação de órgãos”, afirma.

Setembro Verde

No Setembro Verde, mês que visa à conscientização da população sobre o a importância da doação de órgãos e tecidos, a Rede Estadual de Hemocentros – Rede Hemo intensifica a campanha para cadastro de doadores de medula óssea.

“Os hemocentros são únicos locais para realizar o cadastro e se tornar alguém um possível doador de medula óssea. Hoje, só em Goiás temos 630 pacientes inscritos no Registro Nacional de Receptores de Medula (Rereme) que já realizaram busca de doador não aparentado. São muitos pacientes aguardando um doador compatível”, destaca a diretora-técnica da Rede Hemo, Ana Cristina Novais.

Conforme dados do Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea (Redome), a probabilidade de encontrar um doador de medula compatível é de 1 para cada 100 mil habitantes. “Por isso, quanto mais pessoas cadastradas, maiores serão as chances dos pacientes que aguardam na fila de transplante. O cadastro é nacional”.

Ana Cristina esclarece que, caso haja um doador compatível em qualquer lugar do País, o mesmo é acionado e tem todas as despesas de deslocamento e hospedagem custeadas pelo Ministério da Saúde. Em Goiás, existem 217 mil pessoas cadastradas como doadores voluntários, e hoje o Brasil está entre os cinco maiores bancos de doação de medula óssea do mundo.

Interior

Desde setembro de 2019 foram ampliados os pontos de cadastro de doadores de medula óssea para todas as unidades da Rede Hemo no interior: Rio Verde, Jataí, Catalão, Ceres, Formosa, Quirinópolis, Iporá e Porangatu.

O cadastro também pode ser feito na unidade móvel, que pode realizar ações em toda a Região Metropolitana da Capital. Para solicitar o serviço, bastar entrar em contato com o Hemocentro Coordenador pelo telefone (62) 3231-7925. “Para este tipo de ação, nós enviamos uma equipe e é solicitada apenas a disponibilização de um espaço para coleta das amostras e a mobilização dos doadores”, explica Ana Cristina. (Especial para O Hoje)

Veja Também