Cerca de 80% das árvores previstas pelo BRT não foram plantadas

As mudas plantadas são de espécies nativas do Cerrado

Postado em: 22-09-2021 às 08h00
Por: Daniell Alves
As mudas plantadas são de espécies nativas do Cerrado | Foto: Jota Eurípedes

Ainda falta cerca de 80% do total de mudas a serem plantadas pela empresa responsável pelas obras do BRT Norte-Sul. De acordo com a Secretaria Municipal de Infraestrutura Urbana (Seinfra), que fiscaliza os trabalhos do Consórcio BRT-Goiânia, serão extirpadas 2.130 árvores, porém, serão plantadas 25.206 árvores até o final das obras. Até o momento, foram plantadas somente cerca de 5 mil árvores em locais definidos pela Agência Municipal do Meio Ambiente (Amma).

Todas as mudas que foram plantadas são de espécies nativas do Cerrado, com altura mínima de 1,20m cada, ao longo de todo trecho das obras e em outros espaços. Na Avenida Horácio Costa Silva, no Setor Parque das Flores, foram plantadas 152 unidades no canteiro central e no passeio público. Espécies de Mutamba, Resedá, Escova de Garrafa, Caliandra, Quaresmeira, Araçá Pequeno, Pitanga e Pata de Vaca.

Já na Avenida 1ª Radial e Rua 90, no Setor Sul, foram retiradas Guariroba e Mangueira e plantadas no passeio público 245 unidades de Resedá, Escova de Garrafa, Caliandra, Quaresmeira, Araçá Pequeno, Pitanga e Pata de Vaca.

Continua após a publicidade

Diante do prazo de entrega, a meta de plantar as 25 mil árvores ainda está longe de ser cumprida. Além disso, diversas mudas que foram plantadas ao longo das obras não conseguiram sobreviver, como aconteceu na Avenida Goiás Norte – entre o Shopping Passeio das Águas e o setor Jardim Balneário Meia Ponte.

O secretário de Infraestrutura Urbana de Goiânia, Fausto Sarmento, não disse quantas mudas devem ser implantadas até o final deste ano, mas destaca que a meta será cumprida até o fim das obras. Ele também informou que as árvores que não sobreviveram serão substituídas.

De acordo com a Seinfra, em 24 de outubro será inaugurado o Terminal Isidória e do Terminal Recanto do Bosque ao Terminal Rodoviária. Em dezembro serão as estações da Praça Cívica e Avenida Goiás, fechando o Trecho II. O Trecho I deve ser entregue em 2022.

90% concluída

A obra, que liga a região Norte da Capital até a cidade de Aparecida de Goiânia, está com cerca de 90% dos trabalhos executados no Trecho II, que corresponde do Terminal Recanto do Bosque ao Terminal Isidória, no Setor Pedro Ludovico. A Prefeitura de Goiânia planeja inaugurar no dia 24 de outubro deste ano, quando o município completa 88 anos, o Terminal Isidória, e o trecho do Terminal Rodoviária até o Terminal Recanto do Bosque. Já a Praça Cívica e as estações da Avenida Goiás serão entregues até o Natal de 2021.

As calçadas estão cerca de 70% feitas, com trabalhos concentrados nas instalações de piso podotátil, conforme norma de acessibilidade. Inclusive, o BRT Norte-Sul, extensão de 21,7 km, terá cerca de 44 km de piso tátil para deficientes visuais, tornando-se assim um grande exemplo de acessibilidade.

Praça Cívica

Após a obra na Praça Cívica, o anel interno será exclusivo para o transporte coletivo, enquanto o anel externo será para veículos em geral como carros, motos e caminhões. “Isso é o que já acontece nas grandes cidades do mundo todo, separação de veículos particulares de coletivos, com vias exclusivas e privilegiando o transporte público. Estamos entregando uma obra moderna, eficiente, pensando sempre no cidadão que vai poder sair mais tarde de casa e chegar mais cedo, ou seja, otimização de tempo”, esclarece o secretário.

Ainda este ano

Até o fim deste ano, todo o trecho do corredor exclusivo para ônibus do transporte coletivo de Goiânia entrará em operação, apesar dos gargalos que ainda precisam ser superados e a conclusão das obras de infraestrutura. A garantia foi dada pelo secretário de Mobilidade da Prefeitura de Goiânia, Horácio Mello.

O titular da Pasta da Mobilidade enfatizou que, embora seja apenas uma linha, o BRT vai melhorar muito o transporte coletivo da Capital, especialmente pela rapidez em todo o percurso, uma vez que o projeto prevê também a utilização de inteligência semafórica, em que os sinaleiros serão ajustados para criar onda verde, acelerando a trafegabilidade dos veículos. (Especial para O Hoje)

Veja Também