Cresce número de cidades com falta de água no Estado

Moradores de municípios do interior e da Região Metropolitana reclamam de desabastecimento

Postado em: 23-09-2021 às 08h23
Por: Redação
Moradores de municípios do interior e da Região Metropolitana reclamam de desabastecimento | Foto: Jota Eurípedes

Por Alzenar Abreu

Mais cidades entraram na lista de municípios com falta de água nos últimos dias. No início da semana O Hoje levantou uma lista com oito cidades que já enfrentam crise de abastecimento, agora, segundo o que apurou o jornal, mais cinco municípios estão na mesma situação. Isso porque a Companhia de Saneamento de Goiás S/A (Saneago) não divulgou a lista oficial com as cidades que correm risco de sofrer com falta d’água, como vinha fazendo em outros anos, mesmo após o Ministério Público de Goiás (MP-GO) pedir que a Companhia divulgasse essa relação.

O MP deve marcar reunião com a Saneago esta semana, com o objetivo de buscar maiores esclarecimentos sobre o que está sendo feito no Estado em relação aos municípios afetados com a crise hídrica. “O órgão requer que sejam especificadas as ações e atividades realizadas pela Saneago com objetivo de minimizar os efeitos da crise hídrica e acompanhar os desdobramentos”, diz o MP.

Continua após a publicidade

Trindade, Ceres, Posse, Catalão e Alvorada no Norte são as cidades relacionadas pelo O Hoje que sofrem com as torneiras secas. O prefeito de Trindade, Marden Júnior, assinou terça-feira (21) o decreto 2.616/21 declarando estado de emergência hídrica no município. A medida prevê o racionamento do consumo, principalmente de grandes usuários de água para irrigação de diferentes plantios, isso por, no mínimo, um mês, podendo chegar a dois meses.

Em Catalão, informações oficiais atestaram que houve sim, um problema pontual, e que a cidade já está com abastecimento normalizado, porém moradores de alguns bairros contestam a informação e afirmam que ainda sofrem com escassez de água em alguns momentos do dia.

No município de Alvorada do Norte a prefeitura utiliza caminhão pipa para atender assentamentos, mas dentro da cidade não está faltando água.  Em Uruaçu, moradores alegam que ainda não estão com falta de água no momento, mas temem a escassez hídrica com um possível desabastecimento batendo às portas, caso as chuvas não cheguem para melhorar os níveis dos reservatórios.

No início da semana O Hoje publicou que já registram desabastecimento as cidades de São Luiz do Norte, Goianésia, São Luís de Montes Belos, Crixás, Anápolis, além de Senador Canedo, Abadiânia e Caldas Novas. Esta última, com decreto de calamidade pública publicado desde o último dia 15. As últimas três cidades são atendidas pelo serviço próprio de cada município com revezamento do sistema de abastecimento.

Calamidade

A cidade turística de Caldas Novas tem serviço de abastecimento de água suspenso das 10h às 22h, em dias pares e dias ímpares.  O Departamento Municipal de Água e Esgoto (Demae), de Caldas Novas, é que abastece a cidade.

Sem chuvas, o Ribeirão Pirapitinga, que fornece captação e tratamento de água do município, sofre duramente com os baixos níveis nos reservatórios. O prefeito de Caldas Novas, Kleber Marra, não descarta a possibilidade de um colapso no abastecimento de água potável. Segundo ele, a falta de água e investimento em infraestrutura para abastecimento da cidade há mais de 20 anos, piorou, ainda mais, o caos eminente.

Nível crítico

A Saneago informa que a vazão dos mananciais goianos está em níveis extremos, e que até o momento apenas as cidades de Crixás, Goianésia, São Luiz dos Montes Belos e São Luiz do Norte e Posse – atendidas pela empresa-, estão com racionamento de água. A Saneago não confirmou outras possíveis cidades que possam entrar em estado drástico de desabastecimento.

Padre Bernardo

Em nota divulgada no último dia 16, a Saneago informou que, diariamente, caminhões pipa estão reforçando o abastecimento em povoados próximos a Padre Bernardo. E explica que os serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário no município é universalizado, com 100% da população atendida.

A Companhia realizou, recentemente, a extensão do abastecimento de água aos subdistritos locais: Vendinha, Monte Alto e Trajanópolis. No entanto, alguns desses povoados ainda não contam com sistemas regularizados, o que provoca impactos na continuidade do abastecimento, principalmente durante o período de seca.

A empresa diz que, devido às restrições impostas pelo Novo Marco do Saneamento Básico, que levaram à falta de renovação contratual com a Prefeitura de Padre Bernardo; a Saneago está impedida de realizar grandes investimentos no município. Mesmo com o impasse, ela informa que busca alternativas para manter a prestação dos serviços com qualidade e regularidade.

Além disso, essa rede já deu início ao cadastramento das ligações de água dos povoados mencionados, com instalação de hidrômetros. Com a finalização desta etapa em todos os povoados, além dos avanços operacionais, ampliação da oferta hídrica e regularidade do abastecimento, haverá regularização do consumo para fluir melhor equilíbrio aos sistemas de água tratada.

Em Anápolis houve relatos, também, de torneiras secas, mas segundo a assessoria do órgão, os casos são pontuais e o sistema de abastecimento global dessa cidade foi normalizado.

Alerta

A Companhia faz alerta de emergência devido à estiagem, não só em Goiás, mas também em outros estados da Região Centro-Sul do País (incluindo Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, São Paulo e Paraná). Segundo a Saneago, o período de estiagem demanda cuidados, e que o país enfrenta em 2021, a maior estiagem dos últimos 100 anos.

É o que apontou o Sistema Nacional de Meteorologia (SNM), junto a órgãos de meteorologia estaduais e ao Centro Nacional de Monitoramento e Alerta de Desastres Naturais (Cemaden).

A empresa apela aos consumidores que adotem medidas de economia no uso racional da água. E que caso sejam registrados vazamentos em ruas e calçadas, a Companhia seja acionada, imediatamente, para que os técnicos possam efetuar o conserto de forma mais célere possível.

Chuvas isoladas são esperança de alívio

Com temperaturas ultrapassando os 40º, em algumas localidades, há previsão de pancadas de chuvas isoladas para Goiânia. Relatório da Defesa Civil emitido na última terça-feira (21) revelou, ainda, risco de raios, chuvas fortes e ventos intensos em Goiás.

O documento indica que haverá tempestades isoladas em regiões goianas nesta quinta-feira. De acordo com a chefe regional do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), Elizabeth Alves, essa oscilação de temperatura faz parte do reflexo da frente fria oriunda do Sul do Brasil que tem se deslocado, com possíveis reflexos para Goiás.

Segundo ela, há registros de formação de áreas de instabilidade e pancadas de chuvas isoladas tanto na região Sudoeste do Estado quanto na Capital.

De acordo com o Centro de Informações Meteorológicas e Hidrológicas do Estado de Goiás (CIMEHGO) a previsão para hoje é de céu claro e temperaturas máximas elevadas e umidade relativa do ar em declínio no período da tarde.

Para Capital, a previsão é de céu claro, com temperaturas elevadas podendo chegar aos 38ºC e umidade relativa do ar em declínio no período da tarde, com índice na casa dos 10%.

Caixas d´água

A Saneago reforça a importância das caixas d’água que auxiliam na reserva familiar. Essa reserva garante, em caso de eventuais interrupções no sistema, o abastecimento nos imóveis. As caixas d´água também minimizam a pressão hidráulica que entra nas casas e evita sobrecargas em tubulações.

Até que o período de chuvas retorne, o uso de água tratada deve ser apenas para o essencial. Para orientar a população sobre medidas de economia a Saneago divulga no hotsite www.saneago.com.br/dicas/, dicas para o consumo consciente de água tratada. (Especial para O Hoje)

Veja Também