Bebê que sofreu reação alérgica piora estado e apresenta infecção grave

Helena apresenta complicações nos rins e infecção pulmonar

Postado em: 24-09-2021 às 16h37
Por: Maria Paula Borges
Helena apresenta complicações nos rins e infecção pulmonar | Foto: Reprodução

Após sofrer reação alérgica, a pequena Helena, de apenas q ano, passa por momentos desafiadores. A criança está internada no Hospital de Urgências de Goiânia (Hugol) e apresenta complicações nos rins e infecção pulmonar. De acordo com os pais, o caso é grave. O estado de saúde dela vem se complicando desde a última quinta-feira (23/09).

“Peço que suas orações sejam intensificadas, pois é dessa forma que nós podemos lutar” comunicaram Hugo Cristiano e Luana, pais de Helena.

A família pede que conhecidos não liguem no Hospital para pedir informações, porque isso pode atrapalhar o trabalho dos servidores. O médico responsável pelos rins avaliou Helena nesta sexta-feira (24/09). “Como ela teve muitas queimaduras, corpo retém líquido para preservar os órgãos e falta líquidos para os rins. Ela já foi medicada para fazer com que os líquidos cheguem nos rins e aumente o fluxo sanguíneo também, facilitando essa chegada”, disse Hugo.

Continua após a publicidade

Foram realizados exames para detectar possíveis alergias a medicamento. Enquanto isso, a equipe do hospital administra antibióticos para a infecção pulmonar. As avaliações médicas apontam boa reação aos medicamentos. “Precisamos orar para que continue assim e saia dessa fase crítica”, completa o pai.

O drama de Helena teve início há cerca de um mês, quando Helena apresentou espasmos. Após exames, o médico receitou o antiepiléptico Lamotrigina, indicado para o tratamento de crises convulsivas parciais e crises generalizadas, incluindo crises tônico-clônicas. A dosagem inicial era baixa e foi aumentando aos poucos, mas Helena apresentou quadro febril persistente. “Levamos numa UPA em Anápolis e a médica disse que era virose. Em seguida, manchas apareceram na pele dela. Levamos na UPA de novo e disseram que era rosácea, passando mais um remédio e antialérgico”, relata Hugo.

No dia 9 de setembro, várias bolhas surgiram na pele de Helena. O médico que a acompanhava, no entanto, afirmou se tratar de um processo natural. “Tudo o que fizemos foi de acordo com os conselhos médicos”, disse Hugo. Após piora nas lesões, os pais de Helena a levaram para o Hospital de Queimaduras de Anápolis. “A médica de lá mandou internar assim que a viu. Diagnosticaram o quadro como sendo consequência da Lamotrigina”, pontua o pai de Helena.

A criança passou por várias raspagens na pele e procedimentos de hidratação. De acordo com os médicos, é provável que a pele dela fique com marcas para o resto da vida. Segundo o pai de Helena, os médicos não estão pensando em sequelas e que a prioridade é mantê-la viva.

Veja Também