30 vítimas denunciam ginecologista de Anápolis

Nicodemos foi preso pelo crime de violação sexual mediante fraude

Postado em: 30-09-2021 às 09h25
Por: Maiara Dal Bosco
Nicodemos foi preso pelo crime de violação sexual mediante fraude | Foto: Reprodução

A Polícia Civil de Goiás, por meio da Delegacia Especializada em Atendimento à Mulher (Deam) de Anápolis, efetuou, ontem (29), o cumprimento de mandados de prisão preventiva e de busca e apreensão do médico ginecologista e obstetra Nicodemos Júnior Estanislau Morais, de 41 anos, pelo crime de violação sexual mediante fraude contra três vítimas na cidade de Anápolis.

Em Anápolis, a Polícia Civil conseguiu representar pela busca e apreensão e prisão preventiva do médico na Operação Sex Fraud. Após interrogatório, o médico será encaminhado para a cadeia pública. De acordo com a Delegada da Polícia Civil responsável pelo caso, Isabella Joy, o médico agia nas consultas e nos exames transvaginais. “Ele usava, por ser médico, para praticar atos libidinosos, crime de violação sexual mediante fraude, falando palavras de baixo calão e até mandando mensagens para essas vítimas depois”, afirmou a Delegada.

Segundo atualização da Deam de Anápolis, até a tarde de ontem (29) já haviam sido ouvidas cerca de seis vítimas do médico investigado após a operação. Além disso, várias outras vítimas, sobretudo de Goiânia, Brasília e Pirenópolis, já ligaram na delegacia e informaram que vão procurar a Polícia Civil para registrar ocorrência. A Deam de Anápolis calcula, até o momento, haver cerca de 30 vítimas do médico. “As vítimas compareceram bastante traumatizadas, algumas nem entendiam que haviam sido abusadas sexualmente”, destacou a Delegada responsável pelo caso.

Continua após a publicidade

Segundo a Polícia Civil, o médico tem registro profissional (CRM) ativo em Goiás e, ainda, no Pará, Paraná e no Distrito Federal (DF). Na Capital Federal, o médico já tem sentença condenatória por violação sexual mediante fraude. No DF, a vítima relatou a mesma forma de falar e agir do médico, igualmente relatado pelas vítimas goianas. No Paraná, uma vítima já havia registrado ocorrência contra o médico, também por violação sexual, mas o caso foi arquivado.

A Polícia Civil destacou que, devido à atuação em outros Estados, podem existir outras vítimas, motivo pelo qual está sendo divulgada a imagem do médico, de acordo com Portaria da Polícia Civil de Goiás nº 547/2021 e Lei 13.869. A delegada orienta que possíveis vítimas do médico entrem em contato pelos telefones: (62) 3328-273, (62) 98531-0086 (Whatsapp) ou por meio do 198. A reportagem não conseguiu localizar a defesa do detido.

Como denunciar 

O Disque 100 e o Ligue 180 são serviços gratuitos para denúncias de violações de direitos humanos e de violência contra a mulher, respectivamente. Qualquer pessoa pode fazer uma denúncia pelos serviços, que funcionam 24h por dia, incluindo sábados, domingos e feriados. Além de cadastrar e encaminhar os casos aos órgãos competentes, a Ouvidoria recebe reclamações, sugestões ou elogios sobre o funcionamento dos serviços de atendimento. (Especial para O Hoje)

Veja Também