Em evento com representantes das vítimas, C.a.r.a relembra 34 anos do acidente com Césio-137

"Não é comemorar, pois foi um acontecimento muito triste, há 34 anos", disse a diretora-geral.

Postado em: 30-09-2021 às 14h40
Por: Alice Orth
"Não é comemorar, pois foi um acontecimento muito triste, há 34 anos", disse a diretora-geral. | Foto: Divulgação

O Centro Estadual de Assistência aos Radioacidentados Leide das Neves (C.a.r.a), unidade multidisciplinar ambulatorial do Governo de Goiás ligada à Secretaria de Estado da Saúde (SES-GO), realizou um evento nesta quarta-feira (29/09) para relembrar os 34 anos do acidente com o Césio-37. Embora tenha ocorrido no dia 13 de setembro de 1987, ele só foi oficialmente notificado no dia 29. 

Além da diretoria e servidores do C.a.r.a, participaram representantes das três associações de vítimas envolvidas direta ou indiretamente no acidente e pacientes atendidos na unidade. “Não é comemorar, pois foi um acontecimento muito triste, há 34 anos, e sim dar esse acolhimento às vítimas, como são consideradas até hoje”, explica a diretora-geral, Juliana de Farias Bretas.

Para João de Barros Magalhães, presidente da Associação dos Contaminados e Irradiados e Expostos pelo Césio (Aciec), lembrar os 34 anos do acidente é significativo. “É importante lembrar, para não entrar no esquecimento, mas ficar sempre na história, para que a população do estado e do País estejam sempre cientes do que aconteceu aqui”, disse ele. 

Continua após a publicidade

A mãe da menina Leide das Neves, que dá nome ao C.a.r.a., Dona Lourdes das Neves Ferreira disse estar feliz por participar do momento. “É bom saber que a memória não se apagou e temos que continuar revivendo”, disse a mãe da menina Leide das Neves, que dá nome ao C.a.r.a. A garota foi uma das quatro pessoas que morreram por causa da contaminação com o material radioativo. Ela tinha 6 anos de idade, em outubro de 1987. 

Veja Também