Justiça manda soltar ginecologista de Anápolis. Veja como ele agia

O juiz Adriano Roberto Linhares Camargo mandou soltar o ginecologista e obstetra Nicodemos Júnior Estanislau de Morais, de 41 anos. Ele foi

Postado em: 05-10-2021 às 08h51
Por: Nielton Soares
Nicodemos Júnior Estanislau de Morais, de 41 anos, foi denunciado, até o momento, por 48 mulheres, segundo a PCGO | Foto: divulgação/PCGO

O juiz Adriano Roberto Linhares Camargo mandou soltar o ginecologista e obstetra Nicodemos Júnior Estanislau de Morais, de 41 anos. Ele foi liberado na noite dessa segunda-feira (04/10), após 6 dias em uma prisão de Anápolis, cidade a 55 km de Goiânia, e onde ele atuava.  

A prisão dele foi revogada, porque o magistrado considerou que ele possui residência fixa e é réu primário, apesar de ter sido condenado em Brasília pelo mesmo crime, porém, o processo ainda não foi transitado em julgado.

Nicodemos foi preso na última quarta-feira (29/09), em Anápolis, e, agora, responderá ao processo em liberdade. Ele é acusado pelos crimes de importunação sexual, violação sexual mediante fraude e estupro de vulnerável.

Continua após a publicidade

No entanto, a Justiça determinou não pode entrar em contato com as vítimas, não pode ir ao consultório onde atendia e está proibido de exercer a profissão de médico.

Investigação

A Polícia Civil de Goiás (PCGO) começou a investigar o médico depois que uma mulher registrou uma ocorrência na Delegacia de Atendimento Especializado à Mulher (Deam) da cidade. A ocorrência foi feita em dia 15 de setembro. Ela narrou que o médico aproveitava as consultas e os exames ginecológicos para cometer atos libidinosos.

Ao todo, a delegada informou que já ouviu aproximadamente 50 mulheres com relatos de supostas violações praticadas pelo ginecologista e obstetra. Por nota, a defesa de Nicodemus nega todas as acusações.

O que as vítimas relatam?

Segundo alguns relatos das mulheres, os abusos ocorriam durante as consultas e exames com o ginecologista. A delegada disse que algumas pacientes contaram que ele tentou agarrar, beijar e que já fez com que elas o tocassem nas partes íntimas. Uma delas chegou a receber mensagens com insinuações sexuais, depois de fazer perguntas sobre um método contraceptivo.

Íntegra da nota do Cremego

O Conselho Regional de Medicina do Estado de Goiás (Cremego) tomou conhecimento de denúncias contra o médico ginecologista e obstetra Nicodemos Júnior Estanislau Morais (CRM/GO 12.053) após divulgações feitas hoje, 29 de setembro, pela Polícia Civil. O Cremego vai apurar o caso e a conduta do médico no exercício profissional.

Veja Também