Sem casos de transmissão comunitária, variante ômicron será somente rastreada

Postado em: 14-12-2021 às 09h05
Por: Daniell Alves
Secretário Estadual de Saúde, Ismael Alexandrino, alerta para a importância da 2ª dose da vacina contra a Covid-19 | Foto: Reprodução

Após dois casos confirmados da variante Ômicron em Goiás, a Secretaria de Saúde (SES-GO) realiza o rastreamento para identificar a origem, mas os cuidados continuam sendo os mesmos, já que ainda não há indícios de transmissão comunitária da variante. As informações são do titular da pasta, Ismael Alexandrino. Ele alerta para a importância da 2ª dose da vacina contra a Covid-19. Em Goiás, pelo menos 700 mil pessoas ainda não completaram o esquema vacinal. 

Segundo especialistas, completar o ciclo de imunização é a única maneira eficaz de combater a pandemia e evitar infecção. A Sociedade Brasileira de Imunologia (SBI) já alertou para o fato de que quando a pessoa não toma a segunda dose ela não tem a imunização esperada e fica propensa à infecção. Com isso, pode ocorrer a possibilidade de ter mutações e novas variantes, afirma Ismael. O uso da máscara em locais bastante aglomerados segue sendo uma das principais recomendações. Já os estabelecimentos devem exigir a comprovação da segunda dose.

Além dos casos confirmados em Aparecida de Goiânia, há duas suspeitas na cidade de Valparaíso. “Os cuidados são os mesmos de outras variantes. A vacina tem sido eficaz em todos os casos”, avalia o secretário. O trabalho de rastreamento da SES pode diminuir a velocidade de transmissão, porém não evita a transmissão de forma comunitária. Em Aparecida, os casos confirmados são de mulheres com 20 e 46 anos de idade. A suspeita é que elas se contaminaram com um casal de missionários que vieram de Luanda, capital da Angola, na África.

As primeiras observações do cenário internacional, no momento, indicam que a variante Ômicron provavelmente se espalhará mais facilmente do que o vírus Sars-CoV-2 originário de Wuhan, na China, aponta a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). “A facilidade com que essa variante se espalha, em comparação com a Delta, por enquanto é desconhecida, mas é preciso ficar alerta aos relatos de que uma pessoa com infecção pela Ômicron pode espalhar o vírus para outras pessoas, mesmo se elas forem vacinadas ou não apresentarem sintomas”, afirma.

2ª dose atrasada 

O Estado acumula cerca de 700 mil pessoas com a segunda dose atrasada. A Saúde emitiu recomendação de exigência da segunda dose para a entrada de pessoas em alguns lugares, como teatros, campos de futebol, boates e shows em locais fechados. “Infelizmente, se depender só da conscientização da população, a gente vai passar anos e anos (com a pandemia), porque está faltando conscientização”, pondera o titular da pasta. 

Testagem no aeroporto 

Para reforçar o cuidado e evitar a propagação de novas cepas da Covid-19, a Prefeitura de Goiânia passou a oferecer a testagem aos passageiros que desembarcarem no Aeroporto Internacional de Goiânia – Santa Genoveva. A medida não será em caráter obrigatório, mas as pessoas que testarem positivo serão monitoradas. 

Segundo o titular da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), Durval Pedroso, os passageiros que desembarcarem em Goiânia e pretendem ficar na cidade por mais de cinco dias e testarem positivo, serão monitorados como forma de melhoria da vigilância em saúde, bem como dos casos de Covid-19. “Para isso, vamos disponibilizar testes para todos interessados”, explica o secretário. 

Ele ressalta que esse é um período em que as pessoas se movimentam mais em razão das festividades de fim de ano e, segundo ele, ações de vigilância precisam ser reforçadas. “Já estamos em momento de férias escolares, as festas de fim de ano já têm início e, consequentemente, aumenta a circulação de pessoas, sobretudo nos aeroportos”, aponta. (Especial para O Hoje).

Compartilhe: