Equipe médica é indiciada por homicídio culposo após faltar bateria em aparelhos de UTI-Covid

Postado em: 14-12-2021 às 17h55
Por: Giovana Andrade
Falha na rede interna do Hospital Regional do Centro Norte Goiano, em Uruaçu, provocou queda de energia que desativou respiradores da UTI e causou quatro mortes. | Foto: Divulgação

A Polícia Civil de Goiás, por meio do Grupo de Investigação de Homicídios (GIH) de Uruaçu, concluiu, nesta terça-feira (14/12), a investigação acerca de quatro mortes, registradas em 12 de junho deste ano, supostamente causadas por falta de energia elétrica, na UTI-Covid do Hospital Regional do Centro Norte Goiano.

A apuração concluiu que não houve desabastecimento externo de energia elétrica, mas uma falha na rede interna, por volta das 04h15 da madrugada. O incidente desativou um dos disjuntores que alimentavam os ventiladores mecânicos (respiradores) da UTI, fazendo com que eles passassem a funcionar no “modo bateria” até o amanhecer.

Os aparelhos funcionaram com suporte nas baterias de dotação por quase três horas. Em seguida, a carga das baterias acabou, e os pacientes ficaram sem oferta de oxigênio. Em consequência disso, os pacientes foram a óbito antes que a rede elétrica fosse restabelecida. A prova pericial demonstrou que duas das quatro mortes ocorridas naquela data têm relação direta com a inoperância dos ventiladores, bem como que estes funcionaram de acordo com as especificações técnicas.

Nove pessoas da equipe médica foram indiciadas por homicídio culposo e um profissional da área de manutenção foi indiciado por falso testemunho. O inquérito policial foi encaminhado pela autoridade policial ao Poder Judiciário.

Compartilhe: