Suspeito de matar e ocultar cadáver de ex-namorada será levado a júri popular, em Goiânia

Postado em: 17-12-2021 às 09h29
Por: Ícaro Gonçalves
O homem é acusado de ter matado a ex-companheira por não se conformar com o termino do relacionamento | Foto: Reprodução

O Poder Judiciário de Goiás decidiu mandar a júri popular Sebastião Carlos Lima da Silva, suspeito de matar a facadas sua ex-mulher, Eliene Alves da Silva, no dia 5 de junho deste ano, no Setor Chácaras Village Santa Rita, em Goiânia. A decisão foi do juiz Jesseir Coelho de Alcântara, acatando parecer do Ministério Público de Goiás.

O juiz ressaltou que nos autos há indícios suficientes de que o acusado Sebastião Carlos pode ser o autor da morte de Eliene, uma vez que, após cometer o crime, ocultou seu cadáver.

“Ainda restou indicado que o réu pode ter subtraído para si um aparelho de celular marca/modelo LG k61 e um cartão bancário de propriedade da vítima, e ter gastado o saldo que a vítima possuía em conta bancária, além de ter subtraído o saldo que a vítima possuía em conta bancária”, explicou o juiz.

O crime pode ser considerado como homicídio qualificado, de acordo com o descrito no inciso VI, do artigo 121, do Código Penal, por ter sido cometido contra a companheira do acusado, consistindo em violência doméstica e familiar. “Há indícios de que o acusado pegou uma faca na cozinha e, em ato contínuo, amordaçou a vítima, de modo a impedí-la de gritar por socorro, o que pode ter dificultado a defesa”, pontuou.

Entenda o caso

O réu Sebastião Carlos e Eliene namoravam há cerca de três meses em meio a um relacionamento conturbado, marcado por ciúme doentio. No dia do crime, o denunciado aguardou a vítima em casa, e ela, ao retornar do salão de beleza, pediu para que ele fosse embora, já que não estariam a partir daquele momento mais em um relacionamento.

Inconformado com o término da relação íntima de afeto, Sebastião foi até a cozinha, pegou uma faca, amordaçou a vítima, impedindo-a de gritar por socorro, e em seguida desferiu inúmeros golpes em Eliene, causando a morte dela.

Depois de matar a vítima, ele envolveu o corpo dela em lençóis, arrastou o cadáver pelos cômodos da casa e o dispensou numa cisterna que ficava no fundo do quintal, com objetivo de ocultá-lo. Ele aproveitou a oportunidade e roubou o telefone celular e um cartão bancário, tendo por finalidade fugir para o Rio de Janeiro.

A filha da vítima foi quem encontrou o corpo. Ela chegou na casa da mãe e percebeu que os gatos não saiam de perto da cisterna, momento em que localizou o cadáver da mãe. O réu foi preso no dia oito de junho deste ano, quando trafegava pela rodovia federal ainda no Estado de São Paulo. Ele passou por audiência de custódia, quando foi decretada sua prisão preventiva.

Com informações da Assessoria de Comunicação do TJGO

Compartilhe: