Polícia Militar afasta policiais envolvidos em ação que matou quatro na Chapada dos Veadeiros

Ao menos 58 disparos de fuzil e pistolas de diferentes calibres foram efetuados na ocorrência

Postado em: 25-01-2022 às 08h10
Por: Redação
Ao menos 58 disparos de fuzil e pistolas de diferentes calibres foram efetuados na ocorrência | Foto: Reprodução

Os policiais militares envolvidos na ação que resultou na morte de quatro pessoas em Colinas do Sul, região da Chapada dos Veadeiros, na última quinta-feira (20), foram afastados pela Polícia Militar (PM). A instituição confirmou o afastamento nesta segunda-feira (24) e relatou, por meio de nota, que um inquérito foi instaurado para apurar a conduta.

Ao menos 58 disparos de fuzil e pistolas de diferentes calibres foram efetuados na ocorrência. O caso também está sendo investigado pelo delegado da Polícia Civil Alex Rodrigues, que atua na delegacia de Cavalcante.

Os militares afirmaram na ocasião terem sido acionados por meio de denúncia, que encontraram uma plantação de maconha, além de porções do entorpecente prontas para consumo e cinco armas. Eles disseram que foram recebidos com tiros pelos suspeitos.

Continua após a publicidade

Os policiais teriam então revidado os ataques, ferindo os quatro homens. Outras três pessoas que estariam no local teriam fugido. Os feridos acabaram sendo encaminhados para o Hospital Municipal de Colina do Sul, mas não resistiram.

Moradores de São Jorge, povoado de Alto Paraíso de Goiás, promoveram uma manifestação neste domingo (23) contra ação policial. “A comunidade de São Jorge e da Chapada dos Veadeiros, com apoio de diversas entidades de defesa de direitos humanos e movimentos sociais de Goiás, vem a público denunciar a ação policial do último dia 19 de janeiro, já conhecida como Chacina da Chapada dos Veadeiros, promovida pelo Estado de Goiás, que assassinou quatro pessoas, uma delas quilombola”, relataram os moradores por meio das redes sociais.

“A Polícia Militar de Goiás invadiu, sem mandado de prisão ou investigação prévia, uma propriedade localizada na zona rural de Cavalcante onde havia uma plantação de cannabis e encontravam-se sete pessoas. Quatro delas foram assassinadas pela PM sem direito à defesa e outras três conseguiram fugir com vida.  Salviano, Chico, Jacaré e Alan eram conhecidos por todos da comunidade. Muitos possuem histórias para contar dos momentos vividos juntos. Eram pessoas de boa índole, não eram violentos, não tinham ‘passagem pela polícia’, não andavam armados. Não eram bandidos. Eram pacíficos. Morreram por causa de uma guerra insana, que condena e mata de forma seletiva uma parte da população que é preta e pobre, em verdadeiros tribunais de rua”, complementou.

Afastamento

“Assim que a corporação tomou conhecimento do fato, determinou a instauração de um Inquérito Policial Militar e o imediato afastamento das atividades operacionais, de todos os policiais envolvidos no ocorrido. A Polícia Militar não coaduna com desvio de conduta, esclarece que todas as providências cabíveis estão sendo tomadas e que o caso será apurado com o rigor devido”, afirmou em nota a PM.

Veja Também