Moradores da Região Noroeste de Goiânia poderão regularizar seus imóveis neste sábado (12)

O Programa Pra Ter Onde Morar - Escritura estará entregando escrituras e recolhendo assinaturas de mais de 400 famílias da região

Postado em: 11-02-2022 às 15h12
Por: Augusto Sobrinho
O Programa Pra Ter Onde Morar - Escritura estará entregando escrituras e recolhendo assinaturas de mais de 400 famílias da região | Foto: Octacilio Queiroz

Mais de 400 famílias da Região Noroeste de Goiânia têm, neste sábado (12/02), a oportunidade de assinar a escritura de suas moradias através do Programa Pra Ter Onde Morar – Escritura. A ação realizada pelo Governo de Goiás, por meio da Agência Goiana de Habitação (Agehab), vai acontecer no Colégio Estadual João Bênnio, no Jardim Curitiba, a partir das 9h.

No total, serão 437 famílias de sete bairros da região que poderão receber as escrituras, 232 famílias, ou recolher a assinatura, outras 205.  O presidente Pedro Sales destaca que a moradia é um dos principais alicerces na construção da dignidade das famílias. “Ter o documento definitivo de posse da sua casa é sair de uma zona de insegurança jurídica”, ressalta.

O bairro mais atendido, nesta etapa do programa de regularização fundiária, é o Jardim Curitiba, com 231 escrituras, entre entrega e assinatura, seguido pelos bairros da Vitória (55), Vila Mutirão (52), São Carlos (26), Floresta (26), Boa Vista (25) e São Domingos (22). A regularização fundiária contribui para que a gestão municipal e estadual leve melhorias para os bairros.

Continua após a publicidade

Além disso, facilita a realização de reformas, o acesso a empréstimos ou na sucessão, quando o imóvel é deixado para os familiares. “O processo de confecção da escritura é complexo, com várias etapas que demandam tempo e muitos recursos. No programa do Governo de Goiás as famílias recebem a escritura sem ter de pagar nada por isso. Queremos com isso ajudar as famílias a melhorarem de vida”, afirma.

O programa de regularização fundiária tem etapas e ações simultâneas. Vários parceiros atuam em conjunto para viabilizar os documentos. Além do cadastramento, outras ações são necessárias, como levantamento topográfico, elaboração do projeto, aprovação e emissão do decreto, registro do loteamento em cartório e aprovação da doação da área pelo Estado.

Veja Também