Mesmo com Área Azul, população encontra dificuldades para estacionar na Capital

SMM estuda um projeto para aumentar o número de vagas no Centro e em Campinas

Postado em: 14-02-2022 às 08h08
Por: Redação
SMM estuda um projeto para aumentar o número de vagas no Centro e em Campinas | Foto: Pedro Pinheiro

Por Ítallo Antkiewicz

A Área Azul, estacionamento rotativo pago dos setores Campinas e Centro, em Goiânia, poderá ser ampliado. Isso porque a Secretaria Municipal de Mobilidade (SMM) estuda um projeto para aumentar o número de vagas, que tem ainda como objetivo remodelar o sistema tecnológico usado atualmente, erradicar as fraudes existentes e expandir o estacionamento para outros setores com grande fluxo de pessoas. Segundo a pasta, o plano deve ser implantado ainda no segundo semestre desse ano. Enquanto isso, os goianienses seguem tendo dificuldades para estacionar nesses locais. 

Para a advogada Cláudia de Fátima, 43 anos, a questão de estacionamento em Goiânia é muito complicada. “Tem avenidas aqui que não consegue lugar de jeito nenhum, ninguém até o momento tomou providências para melhorar a situação, é uma vergonha, a gente para um minutinho em algum lugar, quando volta o carro já levou multa, assim fica difícil estacionar, para ir trabalhar, resolver alguma questão”, afirma a advogada

Continua após a publicidade

Segundo a SMM, alguns motoristas usam as vagas por um tempo maior do que o esperado, o que atrapalha a circulação de pessoas que vão aos setores para realizar ações específicas que gastam pouco tempo, como fazer compras ou ir em uma consulta médica. Além disso, empresários e funcionários dos estabelecimentos estacionam em frente aos comércios, o que também atrapalha o fluxo de pedestres e a rotatividade dos veículos.

“Hoje a Área Azul funciona de uma forma totalmente manual. O condutor tem que ir com seu veículo até a região da zona azul, procurar uma vaga, estacionar e depois de estacionar, procurar um ponto de venda para pegar o bilhete. Acontece que os funcionários e os empresários daquela região estacionam na porta dos comércios, ficam com os bilhetes em mãos e esperam a equipe de fiscalização chegar para colocar”, explica Ciro Meireles, secretário executivo da Secretaria Municipal de Mobilidade.

Já para a empresária Flávia Costa, 42 anos, as pessoas têm que sair de casa 5 horas da manhã para ir trabalhar e conseguir um lugar disponível para estacionar seu veículo “Saio de casa para o trabalho praticamente de madrugada, porque caso eu venha sair em horário normal, não consigo lugar para estacionar, e como vou fazer né? Então por essa questão de falta de planejamento em uma cidade feito Goiânia, tenho que sair mais cedo da minha residência, pois só assim consigo lugar para estacionar”, aponta a empresária

Até o momento, um edital do Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI) para escolher projetos de estudos técnicos e solução tecnológica de gestão para a operação e manutenção da expansão da Área Azul ainda será divulgado pela SMM. 

Aplicativo irá mostrar vagas disponíveis

O secretário conta que o projeto busca promover a rotatividade através de tecnologias. “O cidadão que está na casa dele vai abrir um aplicativo e ver onde tem vagas disponíveis, quantas vagas tem e isso em tempo real. As tecnologias atuais permitem que isso aconteça. Ele vai sair de casa e acompanhar onde ele pode estacionar com tranquilidade”, conta.

Atualmente, a Área Azul conta com 3. 674 vagas em Campinas e no Centro. Estima-se que essa quantidade aumente para cerca de 12 mil vagas ao total, todas nos referidos setores. Outros setores como Marista e Jardim Goiás também farão parte do projeto futuramente.

A intenção é facilitar a fiscalização e identificação de vagas disponíveis e modernizar a forma de pagamento que atualmente é feita através de bilhetes preenchidos pelos motoristas e deixados de forma visível nos veículos onde informa a hora de chegada, segundo a prefeitura.

Motorista poderá acumular créditos para usar posteriormente

“Hoje a pessoa compra um bilhete por R$1,50. Se ficar dez minutos ou meia hora, paga R$ 1,50. Com o sistema digital vai ser diferente, ele vai pagar o tanto que utilizar. Se a hora é R$2 e ele ficou meia hora, ele vai pagar R$1. As demais horas, da segunda em diante, ficarão mais baratas que a primeira hora”, relata Ciro Meireles.

A forma de pagamento será reformulada e o motorista poderá utilizar o salto que sobrar dos pagamentos nas próximas idas ao estacionamento rotativo.

“A pessoa vai poder pagar com cartão de crédito ou débito, PIX e pode deixar depositado. Por exemplo, se ele depositou R$5 e usou R$1, vai ficar o salto de R$4 para estacionar posteriormente. A própria fiscalização vai identificar a placa do veículo estacionado e puxar o saldo”, explica o secretário. O valor da tarifa será estipulado após a escolha do projeto e da tecnologia que será usada.

Prazo

As empresas interessadas devem apresentar seus projetos até março. A Prefeitura de Goiânia irá selecionar os projetos mais adequados e eficientes para a expansão da Área Azul. Após a escolha do projeto, um novo edital, em forma de licitação, é divulgado para escolher a empresa e a tecnologia que será usada no estacionamento rotativo.

Veja Também