Mortes entre não vacinados é 17 vezes maior em população acima de 60 anos

Número de internados em leitos de UTI também aumentou

Postado em: 19-02-2022 às 08h38
Por: Daniell Alves
Número de internados em leitos de UTI também aumentou | Foto: reprodução

A quantidade de mortes por Covid-19, entre a população acima de 60 anos, é 17 vezes maior em não vacinados e atrasados do que em relação aos completamente protegidos no Estado. Os dados foram divulgados pela Secretaria de Estado da Saúde (SES-GO). Em relação aos óbitos, o número dos não vacinados ou com esquema incompleto é de 431,08, exatamente 6,9 vezes maior do que entre quem conta com o esquema primário concluído (62,29) e 17 vezes maior na comparação com aquelas que já tomaram a dose de reforço (17,17). 

Já entre adultos de 18 a 59 anos, o número de internações em leitos de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) (13,10) e de mortes (3,74) foi 6,2 e 13,35 vezes maior, respectivamente, do que entre os totalmente imunizados (2,09 para internações e apenas 0,28 para mortes). 

De acordo com o painel Covid-19, que contempla informações referentes aos últimos 28 dias obtidas em hospitais públicos, privados e filantrópicos, entre pessoas acima dos 60 anos de idade, a taxa de internações em UTI a cada 100 mil habitantes é de 703,92 entre quem não se vacinou ou ainda não completou o esquema de imunização. 

Continua após a publicidade

Na mesma faixa etária, o número cai para 97,51 entre quem completou o esquema primário e despenca para 38,72 entre pessoas com o reforço em dia. Sendo assim, atrasados e não vacinados somam 18 vezes mais entradas em UTIs em comparação com pessoas completamente imunizadas. 

A superintendente de Vigilância em Saúde do Estado alerta para a importância da vacinação. “Temos que aumentar a cobertura vacinal e manter os protocolos, principalmente, do uso de máscara, distanciamento e dar preferência se for aglomerar em locais abertos, com ventilação”, avalia.

Dia “V”

Diante deste cenário, a Secretaria realiza neste sábado, em parceria com os 246 municípios do Estado, o Dia “V” de Vacinação contra a Covid-19. A ação é mais uma estratégia para aumentar a cobertura vacinal no território goiano, com foco principalmente no público infantil. Isso porque a mais recente atualização no Painel Covid-19, gerido pela pasta, aponta a intensificação de internações e mortes entre a população não vacinada ou com esquema vacinal incompleto. 

A SES reforça que a vacinação é a melhor estratégia para se proteger neste momento de expansão dos números, em virtude da variante Ômicron. A mobilização para o Dia “V” de Vacinação irá ocorrer das 8h às 17h, em 750 postos em todo o Estado. Serão 1.250 profissionais de saúde recebendo goianos e goianas ao longo do dia.

As doses de reforço não apenas reforçam a proteção imunológica já atingida com as anteriores, elas são fundamentais para impedir agravamentos que podem levar à morte. É o que ressalta o secretário de Saúde de Aparecida de Goiânia, Alessandro Magalhães. 

Segundo ele, com o avanço da vacinação, a SMS do município tem constatado uma redução e estabilidade das taxas de internação hospitalar para tratamento da Covid-19 em Aparecida. “Não podemos deixar que essa tendência positiva seja ameaçada por uma cobertura vacinal insuficiente”, diz. 

Cerca de um milhão não se vacinaram 

Dados da SES-GO mostram que cerca de um milhão de goianos e goianas não receberam nenhuma dose de proteção contra a Covid-19 e 819.823 ainda não voltaram para tomar a segunda aplicação. Estão para receber o reforço 1.957.061 pessoas. Por causa do impacto comprovado da cobertura vacinal completa, o atraso no reforço e a baixa vacinação das crianças são motivos de alerta, segundo a SES. 

Todos os municípios goianos foram abastecidos com vacinas suficientes para promoção do Dia “V”. Ao todo, foram disponibilizadas doses para imunizar 58% das crianças de 5 a 11 anos. Do público infantil apto a ser vacinado com a primeira aplicação, que soma 726.580 crianças e adolescentes, 157.501 já procuraram a dose a que tem direito, valor que representa 21,67% de cobertura da faixa etária. (Especial para O Hoje).

Veja Também