Justiça marca julgamento dos acusados de matar o radialista Valério Luiz 

A Justiça de Goiás marcou para o próximo dia 14 o julgamento dos acusados de matar o radialista Valério Luiz

Postado em: 02-03-2022 às 09h06
Por: Daniell Alves
A Justiça de Goiás marcou para o próximo dia 14 o julgamento dos acusados de matar o radialista Valério Luiz | Foto: Reprodução

Após 10 anos do assassinato do radialista Valério Luiz, a Justiça de Goiás marcou para o próximo dia 14 o júri popular que vai julgar cinco acusados pelo crime. O ex-presidente do Atlético-GO, Maurício Sampaio é apontado como mandante.

Em entrevista ao O Hoje, o advogado e filho do radialista Valério Luiz, Valério Luiz Filho, afirma que a expectativa é a condenação de todos eles. “Temos confiança nas provas que foram juntadas, nas mais de 500 páginas de inquérito, as quebras de sigilo telefônico, as ligações entre os réus. O único motivo possível são as críticas que meu pai fazia ao Atlético”. 

O advogado também critica a demora para o julgamento do caso. “O processo penal brasileiro, no que diz respeito aos crimes contra a vida, é um procedimento longo. É uma situação irônica porque crimes que ofendem bens jurídicos menores chegam em um resultado mais rápido e aqueles que deveriam ter uma resposta pronta, acabam se estendendo tanto e gerando esse desconforto social”, revela. 

Continua após a publicidade

Para ele, a demora para uma resposta promove uma mensagem extremamente nociva para a sociedade. “Durante todo esse tempo as pessoas se recordam e me perguntam sobre o caso. O que aconteceu foi uma brutalidade infinita e se nada acontece fica aquela sensação que tudo pode ser feito”, aponta. 

Além disso, aponta, outros fatores interferiram na lentidão do caso. “A gente teve que se reunir para pedir providências até decidir onde seria feito o julgamento. A pandemia também acabou suspendendo os julgamentos por mais de um ano. Finalmente, agora, vai acontecer e não há mais recursos jurídicos para impedir. Nada vai trazer meu pai de volta, mas um desfecho justo é o mínimo que vamos esperar”, defende. 

O crime 

O radialista Valério Luiz foi morto no dia 5 de julho de 2012, quando estava saindo da Rádio 820 AM, onde trabalhava na época. Em fevereiro de 2013, a Polícia Civil de Goiás concluiu que cinco pessoas participaram do crime. O inquérito possui mais de 500 páginas e mais um volume com provas técnicas contra os suspeitos.

De acordo com a investigação, Maurício Sampaio mandou matar Valério motivado pelas críticas que o radialista fazia à diretoria do Atlético, da qual Sampaio era vice-diretor na época. O júri popular já foi adiado em duas ocasiões. Uma delas foi em 2019, quando o juiz Jesseir Coelho de Alcântara pediu afastamento da presidência da comissão, alegando motivos pessoais e que era “suspeito de continuar atuando para a concretização do júri popular, batendo contra todo o sistema processual”.

Já em 2020, segundo o TJ-GO, o adiamento dos júris na época foi uma determinação do Conselho Nacional de Justiça devido à pandemia. À época, o filho do radialista, Valério Luiz Filho, disse que o adiamento já era esperado. “A nossa expectativa é que nesse segundo ele se realize. É inclusive o que vamos pedir ao juiz do caso”, desabafou.

Veja Também