Servidores da educação aprovam em assembleia indicativo de greve da categoria em Goiânia

O prefeito Rogério Cruz (Republicanos) propôs, nesta quinta-feira (03/03) reposição salarial de 7,5%, referente aos anos de 2020 e 2021

Postado em: 04-03-2022 às 14h29
Por: Augusto Sobrinho
O prefeito Rogério Cruz (Republicanos) propôs, nesta quinta-feira (03/03) reposição salarial de 7,5%, referente aos anos de 2020 e 2021 | Foto: Reprodução

O Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Goiás (Sintego) aprovou, na manhã desta sexta-feira (04/03), o indicativo de greve dos servidores da Rede Municipal de Goiânia. A decisão foi tomada após proposta apresentada pelo prefeito Rogério Cruz (Republicanos) de reposição salarial de 7,5%, referente aos anos de 2020 e 2021.

A Assembleia da Rede Municipal de Educação de Goiânia rejeitou a proposta e marcou uma nova reunião para o próximo dia 10. “Buscaremos nesse meio tempo avançar nas negociações com o Paço Municipal, na medida em que a categoria não concorda com o percentual anunciado”, afirma a Presidenta do SINTEGO, Bia de Lima.

Os profissionais solicitam reposição salarial de 33,24% e o Executivo tem seis dias para apresentar uma nova proposta. Além disso, o sindicato cobra o reajuste do Piso, a Data-Base, plano de carreira dos/as administrativos/as, auxílio transporte, quinquênio, gratificação dos/as diretores/as, modulações, pandemia e concurso público.

Veja Também