Goiânia sofre com mais uma semana de queda do fluxo de passageiros em transporte públicos

Postado em: 04-04-2022 às 16h08
Por: Cecília Sampaio
Em Goiânia a Rede Metropolitana de Transporte Coletivo registrou 137.262 passageiros comparando a última sexta (1/4) em comparação a pouco tempo antes do início da pandemia. | Foto: Reprodução

A pandemia trouxe prejuízo em todos os setores, inclusive o Transporte público que perdeu R$ 25,7 bilhões em dois anos. Em Goiânia a Rede Metropolitana de Transporte Coletivo registrou 137.262 passageiros comparando a última sexta (1/4) em comparação a pouco tempo antes do início da pandemia.

Durante esse tempo, além de diminuir a demanda de passageiros, a oferta por ónibus foi obrigada a aumentar para manter o distanciamento social exigido. Isso envolve um grande prejuízo, já que menos pessoas começaram a utilizar os transportes coletivos e mais rodavam as cidades. No Sistema Integrado Metropolitano Anhanguera (SIMA) no dia 9 de março, data que antecede a declaração do estado pandêmico, 180.076 usuários e na última sexta foram registrados 131.432.

Além de que houveram 49 casos de interrupção dos serviços e 379 paralisações neste dois anos de pandemia no Brasil. Pelo menos 223 empresas podem ter sido obrigadas a encerrar, afirmou o presidente da Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU), Francisco Christovam. .

O transporte público é responsável por 28% de todos os deslocamentos no país, sendo que 85,7% das viagens são realizadas por serviço de ônibus urbano. Por causa dessa crise houveram 111 iniciativas de socorro emergencial em 108 sistemas de transporte público de ónibus, graças a isso foi evitado um onda de falência no setor.

Compartilhe: