Insegurança, mato alto e acúmulo de lixo fazem população evitar o Parque Jardim Botânico, em Goiânia

Postado em: 22-04-2022 às 08h24
Por: Redação
Local está repleto de mato alto, lixos, falta de patrulhamento e atos de vandalismo | Fotos: Pedro Pinheiro

Por Ítallo Antkiewicz

Um dos principais parques de Goiânia, o Jardim Botânico, sofre com o completo abandono físico e paisagístico. O Parque, que fica na região da Vila Redenção, tem lixo espalhado por todo lado, mato alto, pista de caminhada com várias rachaduras, buracos e desníveis. A falta de segurança, no entanto, é o principal problema apontado por quem ainda se arrisca a frequentar o local.

A aposentada Delmira Cabral Machado, 84 anos, acredita que o centro da mata serve como ponto para o tráfico de drogas na região. “Quando chega o anoitecer, muitas pessoas começam a entrar no meio da mata de maneira muito suspeita. Às vezes, isso acontece à luz do dia. Eles vão e passam muito tempo lá dentro. Em algumas trilhas, a gente encontra latas de cerveja, camisinhas, roupas. Tudo é abandonado lá dentro e a gente fica com medo”, ressalta.

Para a aposentada, a segurança é sentida por todas as pessoas que passam pelo lugar. “Porém, o problema é mais sentido pelas mulheres que precisam passar pelo parque. Não há um que não saiba de uma história de crime em que a vítima foi do sexo feminino. Elas usam qualquer artifício para tentar inibir”, afirma a aposentada.

Já o pintor Mauro Alves, 66 anos, ressalta que lixos e entulhos são facilmente encontrados com frequência no local. “Por aqui, é sempre cheio de sujeiras, a prefeitura vem fazer a limpeza, mas a população não tem consciência, e faz descartes de lixos, móveis velhos, entulhos, animais mortos. Assim, fica difícil manter a região limpa e bonita”, pontua.

Acúmulo de lixo toma conta dos arredores do parque | Foto: Pedro Pinheiro

População clama por revitalização no local

A área verde é predominante no local, mas sofre com o abandono e afasta a população do Parque. Quem afirma isso é o aposentado José Inácio Pinheiro, de 65 anos. “Primeiramente, aqui tinha que podar esse mato e trazer um projeto que recuperasse tudo o que tem aqui. Poderia fazer um lago mais chamativo. Colocar mais brinquedos para as crianças, melhorar essas pistas de caminhadas. Tem muitos buracos e alguns trechos estão só o cascalho. Aqui precisa de uma grande reforma para que a população venha frequentar aqui”, conta.

Segundo o aposentado, o parque é um grande presente para Goiânia, mas que anda muito esquecido e acaba se tornando pelo poder público. “É muito triste ver tudo isso aqui abandonado. Antes, isso aqui estava lotado. O pessoal vinha do Mutirama e gostava de ficar aqui”, ressalta.

A funcionária pública Márcia Alves dos Santos, 45 anos, também acredita que o parque está abandonado pelo poder público e sofrendo descaso. “Aqui não tem assistência há muito tempo, está há um bom tempo abandonado na questão de limpeza e segurança. Deveriam sem dúvida alguma, dar uma reforma nesse local, um lugar tão bonito, mas cada dia que passa, vai ficando mais abandonado e perigoso, nós moradores da região ficamos com medo de passar pelo parque até de dia, não temos segurança alguma”, ressalta.

Respostas 

A equipe de reportagem do jornal O Hoje entrou em contato com a Agência Municipal de Meio Ambiente (Amma), que informou, via assessoria, que a Amma atua apenas mediante denúncia e flagrante, ou seja, no momento em que o descarte irregular está acontecendo. E que vem promovendo a limpeza e roçagem da vegetação rasteira da unidade, poda de árvores, reparos na iluminação e pintura da sede administrativa do parque.

Já a Companhia de Urbanização do Município de Goiânia (Comurg) informou que “A Companhia providenciará a remoção do lixo e entulhos descartados irregularmente nos próximos dias. A população pode solicitar os serviços da Comurg pelo aplicativo Prefeitura 24 horas”, afirma trecho da nota.

O Hoje também questionou a Guarda Civil Metropolitana (GCM) sobre o efetivo em serviço. Por meio de nota, a corporação informou que “Neste momento está em todas as frentes de serviço da Segurança Pública Municipal. Temos a Coordenadoria de Guarda Ambiental que faz o policiamento preventivo e ostensivo nos 49 parques, bosques e áreas verdes de Goiânia. Contudo, pedimos que a população denuncie situações de violência pelo número 153. As denúncias podem ser feitas de forma anônima e as nossas viaturas chegam rapidamente em qualquer lugar da nossa capital”, diz o comunicado.

Compartilhe: