Ciclistas reclamam da falta de sinalização e vias exclusivas na Avenida 85, em Goiânia

Postado em: 11-05-2022 às 17h43
Por: Victória Vieira
A avenida 85/RS1, localizada próxima ao Estádio da Serrinha, faz um trajeto final até a praça Dr. Pedro Ludovico Teixeira, sem sinalizações para ciclistas | Foto: Reprodução/ Arquivo pessoal

A falta de ciclovias têm preocupado, novamente, os ciclistas goianienses. Dessa vez, a denúncia é relacionada a uma das ruas mais movimentadas da cidade, a Avenida 85/RS1, localizada próximo ao estádio do Goiás Esporte Clube (Serrinha). A avenida se estende até a Praça Dr. Pedro Ludovico Teixeira (Praça Cívica) e ao longo do trajeto não possui nenhuma sinalização para exclusiva para ciclistas. Cenas de ciclistas pedalando sobre as calçadas, ou se arriscando entre os veículos que trafegam no local já são recorrentes, o que alerta para a falta de investimentos no setor.

Vinícius Reis, de 30 anos, entrou em contato com o jornal O Hoje, nesta quarta-feira (11/5), para relatar sobre esse problema. O ciclista passa pela Avenida 85 com frequência semanal. Ele pedala há 11 anos e por muito tempo tenta entrar em contato com a Secretaria Municipal de Mobilidade (SMM) e a Prefeitura de Goiânia, marcando os órgãos em postagens de redes sociais, pedindo para que resolvam e insiram sinalizações nas ruas e avenidas de Goiás, entretanto, ele não recebe respostas.

“Desde 2016 venho cobrindo Goiânia e a 85 é uma avenida que sempre inclui essa cobrança. Eu pedalei várias vezes por ela, já sofri muitos desrespeitos e até ameaças” disse.

Vinícius conta que dentro do ciclismo hoje em dia, o desrespeito dos motoristas no trânsito em relação aos ciclistas é diária. “Em Goiânia, hoje, as maiores dificuldades dos ciclistas são as poucas estruturas cicloviárias. Boa parte das ciclovias só é dos ciclistas aos domingos, no resto da semana pode ser usada como estacionamento, o que é um absurdo. Além disso tem a falta de respeito dos motoristas no trânsito”, contou.

Perguntado sobre medidas necessárias para diminuir acidentes e melhorias das ciclovias, o ciclista respondeu: “Creio que as medidas necessárias no momento sejam identificar os locais onde existe maior fluxo de ciclistas (daí a importância das contagens), construção de estrutura cicloviária permanente e campanhas educativas de respeito ao ciclista no trânsito”, afirmou.

Imagens de uma fina na Av. 85, em 2020.

Ciclismo como esporte e lazer

O ciclismo é uma forma de locomoção, lazer e esporte e o que vêm dificultando a prática dessa atividade, sem preocupações, riscos ou medos, é a falta de estrutura cicloviária permanente, manutenção das vias por parte do Poder Público e a precariedade das faixas na capital.

Nos últimos cinco anos, Goiânia criou apenas 22 km de ciclovias, fator muito perigoso e decepcionante para quem gosta de pedalar. A Avenida 85 é apenas uma de várias que precisam de atenção. Vinícius ainda reclama que falta iniciativa da prefeitura de capital para fazer levantamentos de ciclistas na cidade, ação que poderia contribuir para a criação de políticas mais eficientes de mobilidade pública.

A reportagem entrou em contato com a Secretaria Municipal de Mobilidade para questionar se há estudos em andamento sobre o número de ciclistas em Goiânia e sobre as reclamações de falta de ciclovia na Av. 85, mas não obtivemos retorno. O espaço permanece em aberto para posicionamento.

Compartilhe: