Maior feira de negócios em arte do Centro Oeste volta a ser presencial

Postado em: 27-05-2022 às 08h46
Por: Sabrina Vilela
Após dois anos em formato virtual, feira terá formato hibrido | Foto: Reprodução

Realizada no Centro Cultural Oscar Niemeyer, a Feira de Artes em Goiás (Fargo) ganha mais uma edição e, dessa vez, em formato presencial e virtual e com entrada franca. Maior feira do Centro-Oeste está em sua quarta edição e tem como objetivo exibir um mix da produção de artes visuais, com obras, produtos e serviços da cadeia produtiva das artes, de modo que o profissional e o estudante de artes, ou apenas colecionadores e entusiastas encontrem opções de negócios, entretenimento, formação ou apenas fruição. 

A primeira edição da feira foi em 2017, mas por causa da pandemia ficou um ano sem a realização do evento, portanto agora está em sua quarta edição. “A feira acontece no formato das feiras de sucesso do país e do mundo com estandes e expositores, galeria e escritórios de artes. Mas, não é apenas exposição, é que os agentes da cadeia produtiva das artes possam se encontrar”, conta Sandro Torres coordenador geral da Fargo. 

A feira existe há cinco anos em Goiás e possui recorte no setor de feiras, formato que vem crescendo cada vez mais ao redor do mundo. A Fargo está inscrita entre as cinco maiores feiras do Brasil e tem produção totalmente goiana por conta do edital de fomento da Lei Aldir Blanc, gerenciado pela Secult GO.

O recorte para 2022 é regional, com foco na valorização da produção local, nos artistas emergentes e na diversidade de poéticas. Além das galerias, coletivos e escritórios de arte de Goiânia e do interior, também estarão na feira galerias de Brasília como Oto Reifschneider e o Coletivo BSB Plano da Artes, organizado pela professora e curadora Cinara Barbosa e pela curadora Gisele Lima. A Arte Plena, com sua Casa Galeria, apresentará nomes do elenco da galeria, como Sandro Tôrres, Rodrigo Flávio, Nancy de Melo, mas também investirá em novas promessas da arte goiana, como Augusto César, Lina Cruvinel e André Felipe Cardoso.

“Somando as duas feiras presenciais mais de 15 mil pessoas participaram. Por se tratar de uma retomada, a gente espera receber pelo menos 5 mil pessoas. A feira passou a ocupar um papel importante da cena nacional, tornando uma das maiores do país, mas a nossa preocupação é fazer um recorte regional para fortalecer a produção local”. 

Entre as novidades estão os “Encontros na Fargo”, uma série de bate- papos com convidados nacionais e locais, profissionais reputados do setor das artes, dentre eles: Yara Dewachter (SP,artista e produtora), Marcelo Amorim (SP, artista e curador), Adriana Braga (RJ, produtora e consultora de artes), Nei Vargas (RS, curador, especialista em coleções), Sara Rangel (AM, fotógrafa e professora). As conversas serão gravadas para reprodução no site e fazem parte das ações e formação da feira.

Compartilhe: