Calçadas em reformas causam prejuízos aos comerciantes

Postado em: 03-06-2022 às 07h00
Por: Ítallo Antkiewicz
Comerciantes e moradores esperam há quatro anos pelo término das obras | Foto: Pedro Pinheiro

Atraso na entrega das obras do BRT Norte-Sul, que deveriam ter sido entregues até o dia 31 de maio deste ano, tem se tornado motivo de reclamações de moradores, visitantes e comerciantes do Setor Central. Sobretudo com as obras nas calçadas da Avenida Goiás, que estão sendo revitalizadas. A previsão é que os passeios públicos laterais só fiquem prontos em julho.

A previsão inicial, feita assim que a construção foi iniciada, em 2020, tinha como prazo de entrega o mês de dezembro daquele mesmo ano. Todavia, ao longo desses dois anos, a entrega foi adiada, pelo menos, duas vezes. Está estimada agora para ser finalizada em outubro deste ano, ou seja, as calçadas só poderão ser entregues à população cerca de 90 dias antes.

Proprietário de uma lanchonete na Avenida Goiás, Marco Silva Andrade, 52 anos, ressalta que a maioria das calçadas dos comércios foram arrancadas. A expectativa era de que a obra fosse finalizada no mesmo dia e os clientes pudessem acessar o espaço. No entanto, ele conta que os trabalhos estavam parados. “Ninguém fala nada, a gente conversa com o pessoal e sempre é alguma coisa diferente, mas não explicam e nem dão um prazo definitivo”, afirma.

Com entrega do viaduto adiada, reforma nas calçadas causam transtornos | Foto: Pedro Pinheiro

O empresário pontua que a obra do BRT Norte-Sul já vem lhe prejudicando desde 2019, quando os trabalhos começaram na Avenida Goiás. “Em julho de 2019 fecharam a minha porta pela obra do BRT. Abriram em janeiro de 2020, mas aí em fevereiro veio à pandemia e agora estão com as obras nas calçadas. Desde que começaram já perdi 70% do faturamento e agora com a calçada piorou muito”, explica.

Andrade afirma que, teoricamente, o projeto de revitalização e padronização das calçadas vai ser algo positivo, mas será preciso ver na prática. “Se ficar pronto logo, a gente apoia sim. Problema é que demora muito para fazer uma obra simples”, ressalta.

A comerciante Danielle Martins Borges, 47 anos, explica que as calçadas foram removidas há um bom tempo. “As calçadas foram retiradas, faz uns bons dias, e nunca terminam essa reforma, sempre atrasando. Com isso acabam prejudicando nós comerciantes, os clientes ficam sem acesso para chegar aos comércios”, afirma.

Para Borges, se a prefeitura tivesse realizado uma consulta prévia do projeto com os comerciantes e moradores locais, a comunidade poderia ter pensado em soluções para a reforma sem a retirada do acesso aos comércios da Avenida Goiás. “Ninguém foi informado previamente e a obra, além de estar atrasada, está tirando o acesso aos nossos meios de sobrevivência”, ressalta a comerciante.

A previsão é que os passeios públicos laterais só fiquem prontos em julho | Foto: Pedro Pinheiro

Obras das calçadas

Segundo a Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos (Seinfra), até o momento já foram feitos 31 quilômetros (km) de calçadas no Trecho 2 do corredor exclusivo do transporte coletivo metropolitano, entre os terminais Isidória e Recanto do Bosque, o que equivale a 91,8% do total. O projeto contemplava cerca de 10 km de calçadas novas a serem implantadas e o restante de revitalização.

De acordo com a Seinfra, o BRT Norte-Sul terá 44 km de calçadas entre o Terminal Recanto do Bosque e o Terminal, que serão padronizadas e com piso tátil. Na região da Rua 90, o projeto original teve de ser modificado com relação aos passeios públicos, que ficaram menores do que o previsto inicialmente para que pudesse ampliar o espaço para os veículos particulares nos trechos em que os ônibus do BRT podem fazer ultrapassagens, ou seja, nas estações de embarque.

Revitalização

Presidente de honra da Associação Comercial e Industrial do Centro de Goiânia (Acic), Uilson Manzan pontua que os comerciantes são favoráveis ao projeto do BRT Norte-Sul e da revitalização das calçadas. “O problema é somente a demora. Em abril temos dois feriados, em maio é o Dia das Mães, e essas obras prejudicam muito a chegada dos clientes. O Centro já está uma região com problemas de muitos ambulantes, falta de segurança, tiraram as linhas de ônibus da Avenida Goiás para as obras e agora tem mais isso das calçadas”, afirma.

Manzan explica que a construção do corredor deveria ter sido feita de maneira planejada, para afetar menos os comerciantes e moradores do Setor Central. “Não fizeram a obra como um todo. Em 2019 começaram fechando as quadras para fazer as estruturas, já poderiam ter feito tudo logo, com as calçadas e agora não teríamos mais este problema. Só que fizeram uma parte, o pessoal foi prejudicado, e agora está sendo de novo”, pontua.

Inauguração do Viaduto Iris Rezende é adiada novamente

Mais uma vez, o viaduto da Avenida Perimetral Norte, no cruzamento com a Avenida Goiás, teve a entrega adiada pela Prefeitura de Goiânia. A previsão era que a estrutura fosse entregue nesta terça-feira (31). Contudo, um novo atraso fará com que o tráfego na região seja liberado apenas no dia 09 de junho.

Desta vez, o adiamento deve-se, conforme a Secretaria Municipal de Infraestrutura Urbana (Seinfra), à Enel. A empresa só retirou os postes na região há cerca de dez dias, o que atrasou a conclusão da alça lateral. A pasta informou que a estrutura está pronta. Todavia, a parte que dá acesso à Perimetral ainda passa por obras. Depois, ainda haverá trabalhos de implementação da sinalização.

O viaduto foi lançado ainda na gestão de Iris Rezende, em 2020. No fim do ano passado, a Prefeitura de Goiânia, já na gestão Rogério Cruz, chegou a marcar a entrega da obra, o que não ocorreu por problemas na estrutura.

Entrega

Há sete meses, o primeiro anúncio da entrega de parte do trecho II, do Corredor BRT Norte-Sul, que compreendia aproximadamente 5 km entre o Terminal Recanto do Bosque e o Terminal da Rodoviária, foi previsto para o dia 24 de outubro, aniversário de Goiânia. No entanto, a cabeceira do viaduto sofreu um rebaixamento 12 dias antes, o que levou a gestão municipal decidir prorrogar a entrega.

Sobre o novo adiamento, a Seinfra informou ao O Hoje que o Consórcio BRT Norte-Sul iniciou os serviços da saída que vai para a Avenida Perimetral, na última segunda-feira (23). Após isso, com previsão inicial de nove dias de execução, quando começou a escavação, os engenheiros perceberam que “a umidade do material está muito elevada, fazendo com que a atividade de regularização de subleito (que necessita da umidade ótima, conforme normas) demorasse mais que o previsto inicial”, aponta a nota.

Por essa razão, de acordo com a Seinfra, será “necessário dias a mais para a conclusão completa do complexo do viaduto da perimetral com todo o seu entorno”. A data para que a obra seja concluída foi confirmada para o dia 31, sem a finalização da alça de acesso à Avenida Perimetral Norte. Somente no dia 9 de junho, estará “pronto para liberação total do tráfego, com sinalização”, concluiu.

Sobre o Viaduto Perimetral

O Viaduto Perimetral será o responsável por fazer a ligação entre as avenidas Goiás e Perimetral Norte, em Goiânia. O objetivo de sua construção é possibilitar um tráfego maior de veículos, bem como melhorar o fluxo de trânsito e também de pedestres.

Ao todo a obra é contemplada por 27 vigas de 33 metros e nove vigas de 22 metros, além de ter à disposição dos motoristas quatro faixas para tráfego, sendo duas em cada sentido. Duas faixas serão exclusivas aos ônibus do transporte coletivo e as outras duas para os demais veículos.

Compartilhe: