Metrobus recorre às empresas privadas para reforçar extensões do Eixo Anhanguera

Já as obras da Prefeitura vão ocorrer independente da Metrobus ter ônibus elétricos ou não

Postado em: 09-06-2022 às 08h09
Por: Daniell Alves
Já as obras da Prefeitura vão ocorrer independente da Metrobus ter ônibus elétricos ou não | Foto: Pedro Pinheiro

Com a frota deficitária, a Metrobus anunciou acordo com empresas privadas para reposição e substituição de ônibus articulados nas linhas que percorrem o Eixo Anhanguera, em Goiânia e municípios da Região Metropolitana. Até a próxima semana, a parceria deve ser finalizada pela Companhia Metropolitana de Transportes Coletivos (CMTC). 

Desse modo, os ônibus que atuam no transporte coletivo da Região Metropolitana vão reforçar o atendimento que hoje a estatal realiza nas extensões para as cidades de Goianira e Trindade – além do trecho que hoje vai até o Terminal Vera Cruz.

Conforme a Metrobus, a decisão visa suprir a necessidade de mais veículos para trafegar na via e responder à suspensão, no último dia 30 de maio, do pregão da Metrobus para a licitação de 114 ônibus elétricos, determinada pelo Tribunal de Contas do Estado de Goiás (TCE-GO). 

Continua após a publicidade

“Nós vamos fazer um acordo com as empresas para termos ônibus articulados e repormos na faixa do Eixo Anhanguera, além de onde mais a Metrobus servir. Este acordo já está sendo trabalhado por nós desde o dia em que fui informado da decisão do conselheiro do Tribunal de Contas. Vamos repor e substituir aqueles que estão em situação mais danificada. É uma melhoria na condição do transporte público para os passageiros até a autorização para implantarmos os ônibus elétricos”, informa Ronaldo Caiado.  

Frota deficitária 

O presidente da Metrobus, Francisco Caldas, avalia que há o problema da frota deficitária é uma realidade. Por enquanto, a iniciativa deve solucionar os problemas aos usuários do transporte coletivo. Segundo ele, o objetivo principal é “fortalecer a nossa frota com ônibus deles [empresas privadas], até que a gente possa endereçar a solução final para os ônibus elétricos”, explica. 

Ele também informa que a resposta ao TCE, a respeito da suspensão da licitação dos ônibus elétricos, já começou a ser elaborada e está confiante que tudo será resolvido. “A nossa estratégia, do governador e da empresa é de renovar a frota inteira dentro da melhor tecnologia possível. Nunca tivemos ônibus com ar condicionado nessa região e vamos enfrentar isso”, pontua. 

Contudo, o acordo com as empresas privadas será mantido até segunda ordem. “Esses serviços hoje são operados pela Metrobus e dentro de uma deficiência operacional, queríamos ter mais recursos para poder fazer isso, mas então, na insuficiência, vamos procurar as empresas e pedir para elas reforçarem nossa frota. Eu não tenho os números finais, pois estamos na fase final de indexação, mas espero que em até uma semana tenhamos números novos para apresentar à população e ao órgão regulador”, destaca. 

Meia Tarifa 

Até o fim deste ano, a expectativa é que o Governo de Goiás implemente a Meia Tarifa, onde passageiros que percorrem trajetos menores do que cinco quilômetros pagarão metade do valor do bilhete, congelado em R$ 4,30 durante toda a atual gestão do Estado.

“Goiânia sempre foi só problema, problema. Há quanto tempo não temos um aumento na passagem? Só esse ano, vamos bancar R$ 80 milhões. São 17 prefeituras que não podem subsidiar e nós vamos pagar. Goiânia arca com outra parte. Hoje, nós temos a CMTC e a CDTC trabalhando uniformemente. A Prefeitura está prezando pelo asfalto agora, depois virá o concreto”, afirma o governador.

Reforma seguirá cronograma 

O adiamento do pregão, no entanto, não irá alterar o cronograma da Prefeitura em reformar o pavimento asfáltico. De acordo com o prefeito Rogério Cruz, as obras vão ocorrer independente da Metrobus ter ônibus elétricos ou não. “Nós temos uma data e uma ordem cronológica já enviado inclusive para o Ministério Público com as datas que iremos iniciar e encerrar essa obra”, explica. 

O acordo entre Prefeitura, Estado e Metrobus começou com a primeira etapa já neste mês para serviços de fresagem com recapeamento. No próximo ano, a partir de 2023, o cronograma avança para reforma completa, com mudança até mesmo na semaforização do Eixo Anhanguera. A previsão é de que até 2024 toda estrutura asfáltica seja renovada.

Veja Também