Padrasto do jovem suspeito de matar idoso em farmácia é preso

A Polícia Civil de Goiás prendeu o padrasto do jovem que matou o sogro a tiros dentro de uma farmácia de Goiânia na última segunda-feira (27)

Postado em: 28-06-2022 às 11h34
Por: Alexandre Paes
A Polícia Civil de Goiás prendeu o padrasto do jovem que matou o sogro a tiros dentro de uma farmácia de Goiânia na última segunda-feira (27) | Foto: Divulgação

A Polícia Civil de Goiás prendeu o padrasto do jovem que matou o sogro a tiros dentro de uma farmácia de Goiânia na última segunda-feira (27). Segundo informações da PCGO o homem é suspeito de acobertar o crime. A prisão em flagrante ocorreu por posse ilegal de arma de fogo.

O crime aconteceu na manhã de segunda-feira, no Setor Bueno. Felipe Jardim, que é procurado pela Polícia Civil, entrou na farmácia e disparou contra João do Rosário, proprietário do comércio, usando a arma de fogo do padrasto. O jovem, que é ex-namorado da filha da vítima, fugiu na sequência.

João do Rosário, que era policial civil aposentado, não resistiu aos ferimentos e morreu no local. As informações sobre a possível motivação do crime ainda são desencontradas, mas entre as hipóteses está o fato de o suspeito não aceitar o fim do relacionamento com a filha da vítima. O jovem estaria tentando reatar o namoro, mas o pai seria contra.

Continua após a publicidade

Felipe Gabriel Jardim foi nomeado na semana passada para o cargo comissionado de gerente de sinalização na SMM de Goiânia. Em nota, a pasta lamentou o crime, confirmou a nomeação e informou que ele “será exonerado imediatamente”.

Também em nota, a Polícia Civil disse que a Delegacia de Investigação de Homicídios (DIH) já instaurou um inquérito e trabalha na elucidação do crime. A corporação apontou que o autor já foi identificado e que diligências estão sendo feitas para localizá-lo. A PC ainda lamentou a morte do policial civil aposentado.

“Neste momento de dor, a Polícia Civil se solidariza com todos os amigos e familiares por esta perda e reitera seu compromisso na investigação e resolução do crime praticado contra o policial”, descreveu a nota.

Veja Também