União conclui doação de terreno para construção do Complexo Oncológico Hospital do Amor, em Goiânia

Inicialmente o terreno pertencia à Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), com valor avaliado em R$ 51 milhões, e teve concessão negociada com o estado desde o ano passado.

Postado em: 29-06-2022 às 18h38
Por: Ícaro Gonçalves
Inicialmente o terreno pertencia à Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), com valor avaliado em R$ 51 milhões, e teve concessão negociada com o estado desde o ano passado | Foto: Reprodução

Em evento promovido no Palácio do Planalto na manhã desta quarta-feira (29/6), o presidente Jair Bolsonaro (PL) assinou documento no qual a União doa ao estado de Goiás um terreno de 177 mil m², no qual será construído o futuro Complexo Hospitalar Oncológico do Hospital do Amor.

A área fica na rua Doná Todica, esquina com a rua Amélia Rosa, no Residencial Barravento, próximo à Ceasa, à BR-153 e ao Aeroporto Internacional de Goiânia. Inicialmente o terreno pertencia à Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), com valor avaliado em R$ 51 milhões, e teve concessão negociada com o estado desde o ano passado.

O projeto do complexo hospitalar foi inspirado no Hospital de Câncer de Barretos, também chamado de Hospital do Amor. “Isso aqui vai ser um hospital do SUS, do cidadão carente, de quem precisar. É um hospital público, que vai atender as pessoas de Goiás e de outras regiões também”, declarou o governador Ronaldo Caiado no ato de vistoria do imóvel, em maio de 2021.

Continua após a publicidade

A unidade contará com espaços para internação, ambulatório, recuperação, quimioterapia, radioterapia, cirurgia, parte robótica, leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTI), e também alojamento para famílias carentes que residem em outras cidades e precisam acompanhar o paciente durante o tratamento.

Assinatura da doação

Participaram do ato de assinatura os senadores Varderlan Cardoso (PSD) e Luiz do Carmo (PSC), além dos deputados federais Vitor Hugo (PL), professor Alcides (PL) e Delegado Waldir (União). Concluída nesta quarta, a cessão gratuita do terreno já havia sido a autorização por Bolsonaro em outubro do ano

passado.

Veja Também