Professores da PUC Goiás fazem manifestações por reajustes salariais

No período de transição entre semestres, a PUC Goiás inseriu um aumento de 19,44% nas mensalidades e um INPC de 22,70%, concedida pela Administração Superior da Universidade.

Postado em: 01-07-2022 às 16h07
Por: Victória Vieira
No período de transição entre semestres, a PUC Goiás inseriu um aumento de 19,44% nas mensalidades e um INPC de 22,70%, concedida pela Administração Superior da Universidade | Foto: Reprodução/Ladoalto

Na última quinta-feira (30/6), a Associação dos Professores da PUC Goiás (APUC) veio a público pronunciando-se sobre a manifestação por reajustes salariais.

No período de transição entre semestres, a PUC Goiás inseriu um aumento de 19,44% nas mensalidades e um INPC de 22,70%, concedida pela Administração Superior da Universidade. Ao que parece, em junho, com o retroativo a maio, somente 6% da pretensão salarial foi aumentada.

Os professores vêm lutando para uma abertura de diálogo com a Administração Superior da Universidade, desde 2011 (período em que estava expirando a vigência do Acordo Coletivo) e por diversas vezes foram ignorados.

Continua após a publicidade

“Desde os tempos do ex-Reitor Wolmir Amado, a Administração Superior da PUC Goiás mantém a intransigência em não negociar com as entidades representativas da categoria docente. Como se não bastasse, para surpresa dos/as docentes, o ex-Reitor ainda se lança nas Eleições 2022 como pré-candidato ao Governo do estado como defensor dos trabalhadores e das trabalhadoras.”, desabafa a APUC.

Na quarta-feira (15/6), os professores se reuniram em frente à Cúria Metropolitana reivindicando seus direitos ao Arcebispo, presidente da Sociedade Goiana de Cultura (SCG). Eles manifestaram em defesa, valorização e reestabelecimento dos docentes que trabalham na instituição.

A associação está contando com a compreensão da Administração Superior da PUC Goiás de forma que possam retratar uma nova aprovação de acordos coletivos de trabalho, ou seja, melhores condições, salários mais justos e licença renumerada de pós-graduação.

“A luta incansável dos professores e das professoras tem sido pelo fortalecimento da construção de um mundo mais fraterno e menos desigual garantindo o acesso a um conhecimento de qualidade e em consonância com os anseios e necessidades da sociedade goiana e brasileira, em consonância com a Campanha da Fraternidade 2022, educação como fundamento da vida, da paz e do desenvolvimento social.” enfatizou.

A reportagem tentou contatar a reitoria da Puc Goiás, porém, não obtivemos resposta. O espaço permanece em aberto para posicionamento.

Veja Também