Suspeito de matar sogro em farmácia de Goiânia confessa o crime e revela motivo

Segundo o delegado Rhaniel Almeida, o pai da ex-namorada registrou um boletim de ocorrência que poderia prejudicar o possível ingresso do rapaz na Polícia Militar

Postado em: 01-07-2022 às 15h44
Por: Rodrigo Melo
Segundo o delegado Rhaniel Almeida, o pai da ex-namorada registrou um boletim de ocorrência que poderia prejudicar o possível ingresso do rapaz na Polícia Militar | Foto: Divulgação

O ex-servidor da Prefeitura de Goiânia, Felipe Gabriel Jardim, de 26 anos, preso por matar o sogro e policial civil aposentado João do Rosário Leão, 63, confessou o crime e revelou o motivo do assassinato na tarde desta quinta-feira (30/6).

Durante interrogatório que ocorreu na Delegacia de Homicídios (DIH), Felipe relatou que efetuou os disparos contra a vítima na última segunda-feira (27), na farmácia que o idoso era sócio, no Setor Bueno, em Goiânia. Ele também informou que utilizou a própria arma no crime. O revólver já foi apreendido.

O crime

Foto: Polícia Civil

Ainda durante a sessão, o ex-servidor público infirmou que o carro utilizado no crime foi um Palio, o mesmo encontrado com ele durante a prisão. O suspeito alegou que usava aquele veículo, pois o dele estava sendo consertado na oficina.

Continua após a publicidade

Após o crime, Felipe detalhou que se escondeu na zona rural no município de Caldazinha, há 37 km da capital. Após isso, durante período não especificado pelo acusado, foi para a residência de parentes do Setor Riviera, em Goiânia, onde foi preso.

O motivo

Na confissão que foi acompanhada pelo delegado responsável pelo caso, Rhaniel Almeida, e pelo advogado de defesa Júlio de Brito, o suspeito confirmou os fatos ocorridos no último sábado (25), especificamente o disparo de arma de fogo na casa da então namorada que estava junto com os familiares. Devido às ameaças, João Leão havia aberto um boletim de ocorrência contra o genro na segunda-feira, mesmo dia do crime.

Felipe Gabriel informou durante o interrogatório que o registro da ocorrência feita contra ele foi o que motivou o crime. Em conversa revelada pela ex-namorada do suspeito, Kênnia Yanka Leão, detalha as mensagens que o ex-namorado enviou para o celular dela, instantes depois de efetuar os disparos contra o policial aposentado. “Matei seu pai. Falei para não acabar com a minha carreira”, escreveu.

Segundo o delegado Rhaniel Almeida, o pai da ex-namorada registrou um boletim de ocorrência que poderia prejudicar o possível ingresso do rapaz na Polícia Militar. Durante sua prisão, Gabriel chegou a gritar algumas vezes que o sonho de ser policial havia acabado.

O ciumes

No entanto, Kênnia acredita que o ex-namorado matou o pai dela para afetá-la. Segundo ela, o pai sempre era muito carinhoso e cuidadoso com ela e que a escolha de Felipe por matar o dono da farmácia foi por saber do amor que ela tinha pelo pai.

De acordo com a delegada Cybelle Tristão, titular da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher de Aparecida de Goiânia (DEAM), o suspeito tinha um relacionamento “conturbado e abusivo” com Kênnia Yanka, a filha de João Leão.

Uma gravação foi feita por Kênnia Yanka a cerca de 15 dias antes do crime, mostra quando Felipe Gabriel, ameaça a família dela.

“Pode me denunciar, pode vir me matar que eu vou matar todo mundo antes disso. Eu mato todo mundo. Não estou nem aí. É melhor cada um no seu canto, sem mexer com ninguém, porque se mexer comigo um fio, eu mato seu filho, eu mato todo mundo”, disse o suspeito.

O inquérito segue em curso, a autoridade policial aguarda a finalização de alguns laudos periciais e deve ser finalizado no prazo legal.

Veja Também