15,5% das jovens e adolescentes já sofreram agressão sexual em Goiânia

A figura do agressor sexual foi personificada em 36,1% dos casos pelo amigo(a), 35,4% pelo namorado(a), ex-namorado(a), ficante, crush, 23,3%

Postado em: 13-07-2022 às 11h33
Por: Alexandre Paes
A figura do agressor sexual foi personificada em 36,1% dos casos pelo amigo(a), 35,4% pelo namorado(a), ex-namorado(a), ficante, crush, 23,3% | Foto: Marcello Casal JR. / ABr

Nesta quarta-feira (13) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou a Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar que investigou informações relativas à segurança e saúde sexual dos jovens e adolescentes em 2019. Só em Goiânia cerca de 15,5% das meninas já sofreram algum tipo de agressão sexual, dentre esses dados mais de 70% das agressões sexuais ocorreram por meio do amigo ou namorado.

Cerca de 17,6% dos jovens e adolescentes que são estudantes disseram ter sido agredidos por outra pessoa que não seja mãe, pai ou responsável. Desses, 55,1% afirmaram ter sofrido algum tipo de agressão sexual de amigo(a), 12,9% de outros familiares, 8,2% de desconhecido(a), 8,1% de namorado(a), ex-namorado(a), ficante, crush, 5,7% da polícia e 15,6% de outras pessoas.

Além disso, a figura do agressor sexual foi personificada em 36,1% dos casos pelo amigo(a), 35,4% pelo namorado(a), ex-namorado(a), ficante, crush, 23,3% por desconhecidos, 2,6% pelo pai, mãe, padastro ou madrasta, 10,8% por outros familiares e 10,0% por outra pessoa.

Continua após a publicidade

A pesquisa perguntou se na vida do escolar alguém ameaçou, intimidou ou obrigou a ter relações sexuais ou qualquer outro ato agressão sexual contra a sua vontade. Em Goiânia, o resultado foi positivo para 5,1% dos escolares em geral, 2,9% dos estudantes homens, 7,4% das estudantes mulheres, 5,0% dos estudantes da rede pública e 5,3% dos estudantes da rede privada.

Outro dado alarmante é sobre as relações pessoais entre os estudantes na escola. Em 2019, 43,3% dos
estudantes do 9º ano do Ensino Fundamental, em Goiânia, relataram sofrer bullying. Entre as mulheres, o
percentual foi mais expressivo, chegando a 51,4%, contra 35,5% dos homens.

Mais da metade das estudantes mulheres relataram sofrer bullying, e uma em cada quatro mulheres se sentiu ameaçada, ofendida ou humilhada em redes sociais ou aplicativo de celular. A pesquisa aponta que 43,3% dos estudantes do 9º ano do Ensino Fundamental, em Goiânia, relataram sofrer bullying. Entre as mulheres, o percentual foi mais expressivo, chegando a 51,4%, contra 35,5% dos homens.

Veja Também