Acusado de assédio sexual, presidente do Conselho de Medicina do Rio se afasta do cargo

O comunicado destaca que vai designar o caso a outra regional, com o objetivo de garantir isenção e imparcialidade

Postado em: 22-07-2022 às 08h58
Por: Rodrigo Melo
O comunicado destaca que vai designar o caso a outra regional, com o objetivo de garantir isenção e imparcialidade | Foto: Reprodução/Cremerj

O Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro (Cremerj) informou que o presidente do órgão, Clovis Bersot Munhoz, decidiu se afastar do cargo. O anúncio acontece após o relato de uma técnica de enfermagem de 26 anos que acusa o médico, de 72 anos, de fazer comentários de cunho sexual no centro cirúrgico do hospital Glória d’Or. Munhoz é cirurgião ortopédico e foi indiciado pela 9ª delegacia policial, no bairro do Catete, pelo crime de assédio sexual.

Há uma semana, o mesmo conselho havia suspendido provisoriamente o médico anestesista Giovanni Quintella Bezerra, preso em flagrante denunciado por ter estuprado uma mulher durante o parto no centro cirúrgico do Hospital da Mulher Heloneida Studart, em São João de Meriti, na Baixada Fluminense, no dia 10 de julho.

“Prezando pela lisura e pelo comprometimento com a transparência, o Cremerj informa que o conselheiro Clovis Bersot Munhoz, que atualmente ocupa o cargo de presidente do conselho, decidiu, junto à diretoria, se afastar. Isso porque será aberta uma sindicância em seu nome para apurar a denúncia sobre assédio sexual veiculada na imprensa”, destacou o conselho em nota.

Continua após a publicidade

O comunicado destaca ainda que o processo será encaminhado ao Conselho Federal de Medicina (CFM), que vai designar o caso a outra regional, com o objetivo de garantir isenção e imparcialidade.

“O conselho reafirma seu repúdio por qualquer tipo de assédio e trabalha junto das autoridades para coibir essa prática antiética e criminosa”, descreveu.

Veja Também